SÉRGIO ZALIS/TV GLOBO
SÉRGIO ZALIS/TV GLOBO

‘Malhação’ tem mudança no formato para a temporada 'Vidas Brasileiras'

27ª temporada da novela estreia nesta quarta-feira, 7, com Camila Morgado e Carmo Dalla Vecchia

Pedro Rocha, ESPECIAL PARA O ESTADO

04 Março 2018 | 06h00

Desde sua primeira temporada, em 1995, a novela adolescente Malhação sempre teve como foco central o romance – ou triângulo amoroso – entre seus jovens protagonistas. Na estreia, o trio Danton Mello, Juliana Martins e Luigi Baricelli era o responsável por guiar a trama. Agora, 26 temporadas depois, a novela não terá apenas um casal ou trio protagonista – todo mundo estará em foco, em algum momento. 

Em Vidas Brasileiras, temporada que estreia nesta quarta-feira, 7, na TV Globo, a novela ganha uma nova abordagem, inspirada num formato canadense, e vai trazer a cada quinzena um jovem como o protagonista de sua própria história. O cenário, depois de colégios fictícios que marcaram época, como o Múltipla Escolha e Primeira Opção, será a escola Sapiência, onde a professora Gabriela, vivida por Camila Morgado, dá aula. 

++ Com 'Malhação', Cao Hamburger assina sua primeira novela

Gabriela é uma professora dedicada e determinada, que decide parar de dar aula no Sapiência, um colégio particular, para tentar levar educação de qualidade para jovens de baixa renda. Seus alunos, porém, não ficam satisfeitos com a notícia e pedem para que ela continue na escola. A solução encontrada por ela, então, é fazer uma parceria com uma ONG, e assim levar jovens carentes para o Sapiência. 

“Ela é o tipo de professora, como muitos que a gente tem na vida, que deixa sua marca e estimula os alunos”, explica Camila Morgado, ao Estado, sobre a personagem. “A vida escolar é o ideal de vida dela, ela tem essa vocação. Acho que falar sobre educação de qualidade para todos é algo muito importante no atual momento do País.”

A atriz, que teve uma série de encontros com professores da vida real, promovidos pela Globo, se diz uma admiradora da profissão. “É uma profissão tão mal remunerada, mas tão importante para todos.”

Além de educadora, porém, Gabriela terá uma função diferente na trama – a de investigadora. “Ela tem um olhar diferente para os alunos, ela rompe a barreira escolar”, explica Camila, que, para compor esse lado da personagem, se inspirou na série policial The Killing. É a partir de situações na sala de aula e problemas no colégio que Gabriela vai perceber que certos alunos precisam de uma atenção especial. Assim, a cada duas semanas, um jovem terá destaque e será o “protagonista”. 

Os problemas dos alunos devem refletir os problemas de muitos jovens. São temas profundos, que vão de assédio a corrupção e gordofobia. “Os temas são delicados e por isso precisamos tratar com delicadeza”, afirma a autora da temporada, Patrícia Moretzsohn. “Queremos aproximar os jovens e suas famílias, para que possam dialogar sobre os assuntos. Não queremos chocar ou fazer com que as pessoas aceitem algo que não acreditam, mas incentivar esse diálogo.”

“É importante ir mais a fundo”, acredita a diretora artística Natália Grimberg. “Vamos pegar problemas reais e passar a conhecer melhor esses personagens. Não existem mocinhos ou vilões, os jovens são múltiplos.”

Foi Natália a responsável por formar o jovem elenco desta temporada. Depois de entrevistar mais de 500 atores, ela escolheu 80, que passaram um mês na TV Globo. Ao final, 17 foram escolhidos para estrelar Vidas Brasileiras. A grande preparação foi para que todos os atores conseguissem se tornar bons protagonistas. “Uma coisa é você estrear num papel pequeno, outra é se tornar o protagonista.”

Para aproveitar a diversidade do elenco, que vem de oito Estados brasileiros, e também as suas aptidões da vida real, Natália e Patrícia adaptaram os personagens da trama. Quem sabe tocar instrumentos musicais, por exemplo, pode usar o talento na telinha. Quem tem sotaque do seu Estado natal, também, poderá mantê-lo. 

“Isso nasceu de uma convicção minha”, explica Patrícia. “Por mais talentosos que sejam, eles estão começando, então quanto mais próximos da realidade e mais confortáveis para o papel, melhor eles rendem”, acrescenta ela.

Arcos longos

A estratégia de contar diferentes histórias a cada quinzena tem outro trunfo para a nova Malhação – uma maior quantidade de participações de peso. Logo nas primeiras semanas, Edson Celulari aparece como um político corrupto que vai preso. Após o escândalo, sua filha passa a estudar no Sapiência. Malu Mader e Daniel Dantas também vão viver os pais de outro aluno do colégio. 

Mas, além das histórias de curta duração com os personagens jovens, a temporada vai ter arcos longos e contínuos, como o de Ana Beatriz Nogueira, que vive a esposa do político corrupto, a de Guta Stresser, que em sua estreia em novelas vive a empregada de Ana, e ainda de Luiz Gustavo, que vive o avô de um dos adolescentes. Mas o principal arco é justamente estrelado por Gabriela. Ao entrar em contato com a ONG, ela reencontra uma antiga paixão da juventude, o também diretor da organização, Rafael, papel de Carmo Dalla Vecchia. Apesar de ser feliz no seu casamento com Paulo (Felipe Rocha), ela deve ficar balançada. “Foi um amor muito forte, mas que acabou de uma forma que não ficou esclarecida”, explica Camila. 

“Eles têm muita afinidade”, opina Carmo. “Mas ele é um cara ético, ele não veio para destruir o casamento de ninguém.” Assim como Gabriela, Rafael também tem como ideal de vida levar educação de qualidade para jovens. “É um cara de muito humanismo e um educador maravilhoso”, elogia seu personagem. Para o papel, Carmo também teve contato com professores e com jovens que passaram por situações parecidas com as retratadas na novela.

Apesar de não ter um jovem casal de protagonistas, não deverá faltar romance na nova temporada. “Vamos ter muitos triângulos”, promete Natália. A diretora e a autora, porém, já se preparam para o caso de o público ter uma afinidade maior com alguns dos personagens jovens.

“Sempre brinco que está tudo pronto, só falta o público”, diz Patrícia. “Quando chegar ao ar, a recepção pode ser ruim ou muito boa, mas é o processo de qualquer novela.” Como precaução, a autora afirma que não vai esquecer nenhum personagem na trama, e vai dar continuidade para todas as histórias ao longo da temporada, mesmo que os personagens não estejam em evidência. 

O novo formato, semelhante ao visto em séries de TV, é mais uma forma de tentar se aproximar ainda mais do público jovem. Sucessos entre adolescentes, como 13 Reasons Why, da Netflix, por exemplo, estiveram no radar de Natália e Patrícia.

Audiência

Em 2014, com Sonhos, a Malhação passou a ter temporadas temáticas. Com a mudança, a novela foi de 17 pontos de audiência média, em 2013, para 19.

A audiência se manteve com Seu Lugar no Mundo (2015) e cresceu para 21 pontos de média com Pro Dia Nascer Feliz (2016). 

Em mais uma mudança, com a presença de quatro protagonistas femininas, a temporada Viva a Diferença, que chega ao fim nesta segunda-feira, 5, teve 22 pontos de média.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.