HBO
HBO

Maisie Williams e Bradley-West falam sobre a temporada final de 'Game of Thrones'

No Brasil para participarem da CCXP, atores relatam o difícil adeus à série

Pedro Rocha , Especial para O Estado

09 Dezembro 2018 | 06h03

Agora de cabelo loiro e com tons rosados, totalmente diferente da personagem Arya Stark, a atriz britânica Maisie Williams confessa que, enquanto filmava a oitava e última temporada de Game of Thrones, evitou ao máximo pensar que a série estava próxima do fim. “Nunca pensei, ‘meu Deus, acabou’, porque quis evitar isso a todo custo. É muito pesado dar adeus à série.”

A atriz passou nessa semana pela Comic Con Experience, em São Paulo, evento que termina neste domingo, 9. Por lá, participou de um painel com o colega de elenco John Bradley-West, o Samwell Tarly, e com os criadores da série, D.B. Weiss e David Benioff, para falar sobre a importância de Game of Thrones e sobre a expectativa para a temporada final. “Sabia que a hora estava chegando, mas não me toquei por muito tempo”, afirma, em entrevista ao Estado, minutos antes do painel. “É um sentimento difícil de explicar.”

Bradley-West, ao seu lado, concorda. “No começo foi triste, tentei me concentrar nas filmagens, mas ao final já não conseguia ignorar. Foram oito anos da minha vida. Para Maisie mais, quase uma década.”

Os 10 anos de Williams na série se completam em abril, quando a série retorna, para seus últimos seis episódios, na HBO. Para ela, o fim de Game of Thrones é um marco pessoal da sua vida e seu crescimento. Hoje com 21 anos, ela começou a filmar a série aos 12. “Não é sempre que você consegue viver um personagem por tanto tempo. No meu caso, foram anos muito importantes da minha vida. Fui de criança para uma adulta.”

No mesmo período, na série, sua personagem foi forçada a amadurecer. Perdeu os pais, irmãos, sua casa. Virou guerreira e vingou a família, assassinando as pessoas que causaram a tragédia em sua vida. Tudo isso durante a transição de garota para mulher. “Fui capaz de levar a personagem por mudanças e aprendizados da minha própria vida, e vice-versa.” O crescimento, claro, foi registrado pelas câmeras. “A série capturou uma parte crucial da minha vida.”

O personagem de Bradley-West também passou por uma grande jornada de amadurecimento, que o levou a ser uma peça fundamental do enredo. Sam e Bran (Isaac Hempstead-Wright) são as únicas pessoas, no momento, que sabem que Jon Snow (Kit Harington) é o verdadeiro herdeiro dos Sete Reinos. “Descobrir o segredo veio num momento importante para Sam. Na sexta e na sétima temporadas, me senti de fora dos acontecimentos principais, não me sentia parte da história de Jon Snow ou de Daenerys”, acredita o ator, que deu uma leve dica do que vem por aí na temporada final. “Receber essa informação, crucial para a série inteira, foi uma indicação de que Sam é importante, e vai ser mais ainda.”

Os atores estavam proibidos, na entrevista, de falar sobre a oitava temporada da série, mas Maisie também deu indícios do futuro de Arya. “Voltar para Winterfell foi incrível, era o foco dela durante toda série”, diz. “Nessa nova temporada ela tem objetivos completamente diferentes, que nunca teve antes”, conta ainda.

No painel de Game of Thrones na Comic Con Experience, D.B. Weiss e David Benioff também evitaram falar sobre os novos episódios da série, mas entregaram um detalhe da cena final, ao falar sobre o último dia de gravações. “No último dia, Weiss e eu dirigimos o episódio final, havia um cenário de ruínas e destruição. Nós dois tiramos uma foto, sozinhos, porque foi assim que começamos na série”, afirmou Benioff, que revelou que o final de GoT foi traçado por eles após o término da terceira temporada. 

Para Weiss, a despedida foi dolorosa. “Vamos nos ver bastante no futuro, mas não vamos mais fazer isso. Então foi triste”, afirmou ao público durante o evento. “Mas não poderíamos fazer a série para sempre, se não ela deixaria de ser o que é. Foi um sentimento estranho”, acrescentou. 

 

Mais conteúdo sobre:
Game of ThronesMaisie Williams

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.