Gabriel Bouys
Gabriel Bouys

Mais de cem mil pessoas pedem que Netflix cancele série que brinca com sobrepeso

Produção apresenta uma adolescente obesa, alvo de bullying por seus colegas de turma

AFP

25 de julho de 2018 | 08h24

Uma nova série da Netflix, Insatiable, foi acusada de debochar de pessoas com sobrepeso e uma petição para que seu lançamento seja cancelado recebeu nesta terça-feira, 24, mais de 120.000 assinaturas.

A série, com estreia prevista para o dia 10 de agosto e protagonizadas Alyssa Milano e Debby Ryan, apresenta uma adolescente obesa, alvo de bullying por seus colegas de turma. Depois de conseguir ficar magra, ela sonha com um objetivo: conseguir se vingar.

A petição diz que a série estimula mulheres jovens a "julgar seu valor a partir de seus corpos" e "perpetuar não somente a toxicidade da cultura das dietas como também a objetificação do corpo feminino".

"Ainda estamos em tempo de conseguir cancelar esta série que joga com as inseguranças das meninas que acham que para serem felizes e valiosas têm que perder peso."

Debby Ryan defendeu a série em sua conta do Instagram.

"Como alguém que se importa profundamente com a forma como nossos corpos, especialmente os das mulheres, são humilhados e policiados na sociedade, eu estava tão empolgada em trabalhar no Insatiable porque é uma série que aborda e confronta essas ideias através da sátira", escreveu Ryan.

A intenção da série, opinou, é "apontar para os que assediam e dizer 'isso não é certo'".

Sua personagem "sofre uma transformação física, mas isso não a faz feliz. Não fazemos isso para que sintam vergonha do sobrepeso. Queremos mostrar os prejudiciais e inadequados sistemas que equiparam a magreza ao valor", continua, pedindo para que assistam a série antes de julgá-la.

Procurados pela AFP, os porta-vozes da Netflix ainda não comentaram o caso.

A empresa se envolveu em uma polêmica há alguns meses por outra de suas series, 13 Reasons Why, acusada de incentivar o suicídio em adolescentes.

 

Mais conteúdo sobre:
Netflixobesidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.