Divulgação
Divulgação

Mais comportado, Rafinha assume ‘Agora É Tarde’

Talk show mantém formato antigo com humoristas saídos de outras emissoras e volta de Marcelo Mansfield

João Fernando, O Estado de S. Paulo

25 Fevereiro 2014 | 19h00

Além de andar com o cabelo cortado e penteado, Rafinha Bastos fará um humor mais leve na bancada do Agora É Tarde, talk show da Band no qual ele assume o comando a partir da meia-noite do dia 5 de março. "O objetivo não é ficar cutucando, é divertir", disse o humorista, que dividirá o palco com uma banda liderada por André Abujamra e as performances dos comediantes Gustavo Mendes (Casseta & Planeta) e Marco Gonçalves (Saturday Night Live). O único que permanece na atração é Marcelo Mansfield, que chegou ao programa com Danilo Gentili, antigo apresentador.

"Tiramos um do SNL, outro do Zorra Total. Somos salvadores. Não fizemos escalação de elenco, fizemos resgates", debocha Rafinha, relembrando um antigo trabalho de Mansfield na Globo. Com função de locutor do talk show, a permanência dele foi mantida em sigilo pela emissora. "A ideia era eu fazer o Café com Jornal, nas manhãs da Band. Mas vi essa movimentação e o Rafinha é um irmão para mim", derrete-se o artista, que fará shows de stand-up comedy com Gentili. A equipe procura ainda uma integrante feminina.

Entre os primeiros convidados confirmados estão os cantores Lobão e Luan Santana. Rafinha, que saiu do CQC após um comentário sobre Wanessa Camargo em que disse que "comeria ela e o bebê", cogita receber a cantora. "Nenhum contato foi feito. Mas adoraria, não tenho restrição contra ninguém. Seria bacana, uma entrevista legal."

O gaúcho garante ter liberdade na emissora e seguirá com seu humor no Agora É Tarde, cujas edições são gravadas. "Não gostaria que nenhuma piada que eu tivesse dito gerasse polêmica. Na hora das piadas, eu nunca pensei: ‘Agora peguei pesado’. A piada que me deu problema no CQC eu fazia no próprio CQC por um ano e meio. Eu não sou vítima de nada. Sou um cara dei minha cara para bater. Isso pode acontecer na TV ou no palco. Se eu tivesse me arrependido, teria acabado com a minha carreira."

O histórico do apresentador não abalou os investimentos na atração. Marcelo Mainardi, vice-presidente comercial da Band, anunciou o nome de um dos patrocinadores e afirmou que os outros estão encaminhados. "Na internet, eu sigo com meus patrocinadores. Eles não desistiram nem quando eu estava no olho do furacão", diz Rafinha, que cumprirá mais dois anos de contrato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.