JOÃO COTTA/DIVULGAÇÃO
JOÃO COTTA/DIVULGAÇÃO
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Macondo Way, canal da GloboSat e TV Caracol nos EUA, preenche lacuna

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

06 Agosto 2015 | 03h00

Com “on air” (vinhetas, logotipo e programação visual) criado nas dependências da GloboSat, o canal Macondo Way, que une a programadora brasileira e a colombiana TV Caracol nos Estados Unidos, tem boas chances de entrar no ar lá até o início de 2016. Uma demonstração da grade, à qual a coluna teve acesso exclusivo, foi apresentada às operadoras de TV paga nos EUA, já com resultado de pesquisas submetidas ao público alvo. 
A proposta é lançar o primeiro canal de life style, com linguagem e tecnologia moderna, feito para latinos, por latinos, nos EUA, pendendo mais para o público feminino e relevante para a geração millenial descendente desses imigrantes lá. Há uma gigantesca plateia de jovens de origem latina que cresceu nos EUA, já de hábitos norte-americanos muito arraigados, que mal se identifica com os canais hispânicos de novelas vistos por seus pais, como Telemundo e Univision. Até por isso, a dramaturgia dificilmente estará no Macondo Way.
Há programas coletados entre vários países latino-americanos e pelo menos três produções originais: Conquistando la Familia, em que um imigrante (ou descendente de) aceita se casar com um americano e o(a) leva para conhecer sua família em seu país de origem; Amigos de Infancia, em que o imigrante retorna à terra natal para reencontrar amigos de infância, e La Vida És un Carnaval, em que três jovens viajam por toda a América Latina, explorando as principais festas tradicionais de cada país. Os programas da GloboSat que entrarem na grade serão dublados para o espanhol.
O casal do Vidigal. Aí estão Bruno Mazzeo e Monique Alfradique como Rui e Tina. O casal vai trocar os altos impostos do asfalto da zona sul carioca pela “vida loka” do Morro da Macaca, inspirado no Vidigal, em A Regra do Jogo, próxima novela das 9, de João Emanuel Carneiro.
Anunciada como a 1ª série brasileira da Netflix, '3%' chegou a receber aval da Ancine, em maio de 2014, como publicou esta coluna, para captar R$ 4.288.9096,95. Na época, a produtora Boutique Filmes, de Tiago Mello, ainda procurava um canal de TV.
A Netflix assume agora 100% da produção e é dona do título. Caso pudesse aceitar dinheiro público via lei de incentivo, teria de ceder a propriedade do programa à parceira brasileira – a Boutique. João Miguel e Bianca Comparato estão nos papéis centrais. São 7 episódios de 1 hora.

A Disney aguarda para setembro a conclusão das gravações da 3ª temporada de Que Talento!, série nacional da Cinefilm, que une música e TV. Estreia no fim do ano.
13 milhões de espectadores no Painel Nacional de TV (PNT) do Ibope teve a Record News em julho. Obra do Pan de Toronto, o índice é recorde do canal nos dois últimos anos.
"Martha, Russomanno e Datena na corrida a prefeitura de SP. Os 3 nasceram na TV. É... mas a tecnologia está mudando.”
Rafinha Bastos NO TWITTER

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.