Longe do preconceito

Marília diz que hoje em dia não enfrenta mais o preconceito de ser jornalista e atriz. Acredita que as pessoas, em geral, admiram seu trabalho. "A sensação que eu tenho é que, quando as pessoas não gostam, elas mandam ver, mas, quando não falam, é porque está legal. E não falaram quase nada e quem falou, me gratificou", conta ela. "Recebi um e-mail deslumbrante do autor, um telefonema de Bibi Ferreira, que me comoveu. Ela me disse uma coisa tão séria que tenho pudor de repetir... Ela me disse: ?Eu gostaria de ser você?. Quase desmaiei!", continua Marília, garantindo que nunca foi de se entusiasmar consigo mesma. "Quando me dizem ?poderosa?, olho com estranhamento, porque não é o tipo de avaliação que consiga fazer de mim mesma. Não sou aquela que se acha a rainha da cocada preta."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.