MUNIR CHATACK/DIVULGAÇÃO
MUNIR CHATACK/DIVULGAÇÃO
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Liberação de biografias beneficia produção para televisão e cinema

Autores e produtores de TV esperam que a liberação de autorização prévia para a publicação de biografias, como foi definido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na última semana, beneficie de modo significativo a produção de conteúdo audiovisual relativo ao segmento. Autora de livros e minisséries que retrataram a vida de personalidades reais, como os modernistas de Um Só Coração, e personagens de JK, Dalva & Herivelto e Dercy, Maria Adelaide Amaral duvida “que alguém possa impedir a citação de um nome se ele fez parte da biografia da pessoa, como no caso da Dercy”. Na minissérie sobre a comediante, Maria Adelaide não obteve permissão da família de Walter Clark, ex-diretor da Globo, para mencioná-lo no episódio da demissão de Dercy da emissora. “Aliás, eu entrevistei o Walter Clark para o livro Dercy De Cabo a Rabo, e não lembro de ele ter me pedido para não mencioná-lo no texto.” Em JK, Adelaide (que dispensa intermediários do departamento jurídico para consultar familiares e personagens reais citados em suas obras), também enfrentou resistência. “Para você ter uma ideia, a filha de um servidor de JK me disse na época que só permitiria que o pai dela entrasse na minissérie depois de ler os capítulos, acredita? Isso dá a medida da prepotência e arbitrariedade dos familiares.” E completa: “Suponho que quando uma obra de ficção é baseada em uma biografia que circula há tempos sem que a família tenha processado o biógrafo por calúnia e difamação, não vai ter problema. Ou os problemas serão menores do que eram. Espero”. 

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

15 de junho de 2015 | 03h00

Sois Rei. É hoje que Sérgio Marone será coroado como rei Ramsés em Os Dez Mandamentos. Incentivado por Tuya (Angelina Muniz), ele assume o trono após a morte de Seti – o que tirou Zécarlos Machado de cena. A novela da Record vem batendo 14 pontos no Ibope.
Os suíços se “presentearam” com um novo imposto, ao aprovar, por meio de referendo, a revisão na lei de rádio e TV. Por 50,1% dos votos, fica decidido que todos os domicílios e empresas do país passam a pagar uma taxa que antes cabia só no bolso de quem tinha antenas ou assinaturas de TV.
... Como as transmissões hoje se estendem a tablets e smartphone, definiu-se que a taxa deveria ser estendida a todos os suíços. Quem conseguir provar que é desconectado de tudo – TV, rádio, web, celular – poderá ficar isento do novo imposto.
De olho na segunda tela, o mi.tv se apresenta como aplicativo que soma guia de TV e a relação da televisão com as redes sociais, conectando comentários de um mesmo programa do Twitter ao Facebook. Grátis, vale para web, iOS e android.
A MTV celebra sua chegada ao 10.º lugar no ranking da TV paga, na média dos últimos três meses. No final de 2013, o canal estava na 28.ª posição. 
No SBT, a bolsa de apostas da vez tenta adivinhar quanto tempo vai durar a reprise do seriado I Love Lucy por lá. Estreia hoje, às 13h30. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.