Raquel Cunha/Globo
Raquel Cunha/Globo

Lembre as várias adaptações de 'Éramos Seis', que estreia novo remake com Glória Pires

Sob a direção artística de Carlos Araújo, nova versão para o livro de Maria José Dupré traz ainda no elenco Antonio Calloni e estreia nesta segunda, 30, na Globo

Eliana Silva de Souza, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2019 | 07h00

Estreia nesta segunda, 30, a novela Éramos Seis, que ganhou nova adaptação pelas mãos de Angela Chaves, que se baseou na versão feita por Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho. Contada por uma mulher, Lola, a história perpassa quatro décadas de uma família.

Sob a direção artística de Carlos Araújo, o elenco é formado por Glória Pires e Antonio Calloni, que fazem o casal principal da trama, seus filhos Carlos (Xande Valois/ Danilo Mesquita), Alfredo (Pedro Sol/ Nicolas Prattes), Julinho (Davi de Oliveira/ André Luiz Frambach) e Isabel (Maju Lima/ Giullia Buscacio). 

Livro de leitura obrigatória nas escolas há muitos anos, integrando a clássica série Vaga-Lume, Éramos Seis foi escrito por Maria José Dupré (1898-1984) e publicado em 1943. Nascida em Botucatu, São Paulo, a autora mostra em seu romance a trajetória de Dona Lola e sua família, formada pelo marido e mais quatro filhos. Por se tratar de uma história atemporal, mesmo se passando nos anos 1920, caiu no gosto popular, o que fez a obra ser adaptada para a TV várias vezes.

Na verdade, a primeira adaptação de Éramos Seis foi em formato de radionovela, em 1945. A trama foi apresentada pela Rádio Tupi, em texto de Álvaro Augusto e direção de Olavo de Carvalho. E quem deu vida a Dona Lola foi Sônia Barreto, então conhecida como a Rainha da Canção Brasileira.

Na televisão, foi exibida pela primeira vez na Record, em 1958, e trazia no elenco Gessy Fonseca como Dona Lola e Gilberto Chagas vivendo o marido dela, Júlio. Foi a Tupi, em 1967, que apresentou a segunda versão da obra de Maria José Dupré, em texto de Pola Civelli e direção de Hélio Souto. No elenco principal, Cleyde Yáconis interpretou Dona Lola, Sílvio Rocha viveu Júlio.

Em 1977, chega, também na Tupi, a terceira versão da história, agora com texto adaptado por Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho. O elenco era encabeçado por Nicette Bruno e Gianfrancesco Guarnieri como o casal principal, Dona Lola e o marido Júlio. Os quatro filhos adultos foram interpretados por Carlos Augusto Strazzer (Carlos), Carlos Alberto Riccelli (Alfredo), Ewerton de Castro (Julinho) e Maria Isabel de Lizandra (Isabel).

Então, em 1994, o SBT colocou em cena a quarta versão, que até hoje é lembrada pelos fãs. Dessa vez, o texto teve poucas alterações e foi baseado na adaptação da versão anterior. Com direção de Nilton Travesso, Henrique Martins e Del Rangel, contou com elenco liderado por Irene Ravache e Othon Bastos, casal principal da trama, e os filhos, vividos por Jandir Ferrari, Tarcísio Filho, Leonardo Brício e Luciana Braga.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.