NETFLIX
NETFLIX

'Kingdom' reúne as conspirações da Dinastia Joseon com epidemia de zumbis

Em seis episódios, série mistura disputa pelo poder da monarquia com guerra zumbi em Coreia histórica

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2019 | 03h00

Nada daqueles zumbis preguiçosos que caminham na maratona cansativa The Walking Dead. A série Kingdom, disponível na Netflix, chega com seis episódios que aceleram o mundo desse gênero de um jeito capaz até de renovar a cara feia dos mortos-vivos.

O estilo sul-coreano de representar zumbis não segue a linha dos caminhantes de muitas produções norte-americanas, que tomam as cidades à procura de carne fresca, sem tanta pressa. Um exemplo é Train to Busan (2016), filme eletrizante que retrata o surgimento de epidemia zumbi transportada nos trilhos de uma composição que sai de Seul para a segunda cidade mais populosa da Coreia do Sul. Aqui, eles correm tanto quanto um trem-bala, pulam e se aglomeram, o que lembra muito World War Z, com zumbis empilhados em formações monumentais.

Em Kingdom, os seis episódios dão a sensação de um grande longa, feito para assistir em maratona. A produção mergulha em um cenário turbulento, a Dinastia Joseon (1392-1897), quando diversos clãs negociavam forças e alianças para garantir a existência e, quem sabe, a tomada do poder. 

No centro da trama, surge o boato de que o rei está morto. E, todas as manhãs, o corpo de uma jovem é retirado de seu quarto. A rainha, que está grávida, nega e diz que o governante está com varíola e não pode ser visitado por ninguém, inclusive pelo o príncipe herdeiro.

Ameaçado de traição, o filho do rei foge à procura do paradeiro do último médico que cuidou de seu pai. E é em uma cidade pobre do reino que acontece a primeira epidemia. 

Um detalhe é que os mortos-vivos da série se comportam em ciclos. Durante a noite, eles caçam e, quando o sol nasce, todos se escondem em buracos em um estado de dormência. Ao fim dos últimos raios do sol, a matança começa novamente. 

Com uma combinação singular, a série constrói uma narrativa de conspiração pelo poder, com cenas no interior de construções milenares, demonstrando os rituais mas também o abismo da desigualdade entre o luxo dos Joseon e a miséria do povo, expressos na variedade de figurinos, mantos coloridos, chapéus de diferentes formas, que representam os diferentes clãs, e classes de militares, além espadas e um tipo de arma de fogo, acionada com um pavio aceso que incendeia a pólvora.

A cada episódio, a ausência do rei em exercício desestabiliza os aliados e fortalece os interessados em tomar o reino à força. Do lado de fora, uma massa de mortos-vivos corre, faminta, e se aproxima. Há momentos de humor, para aliviar as batalha e Kingdom termina no auge da história. A boa notícia é que já foi confirmada a segunda temporada. 

 

Mais conteúdo sobre:
Netflix

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.