Mario Anzuoni/Reuters
Mario Anzuoni/Reuters

Julianne Moore interpretará Sarah Palin em filme na TV dos EUA

Filme da HBO é baseado em livro que documenta bastidores das eleições de 2008 nos EUA

PIYA SINHA-ROY, REUTERS

14 de janeiro de 2012 | 12h04

Enquanto os norte-americanos se preparam para as eleições presidenciais de 2012, a HBO está revisitando o drama da corrida de 2008 para a Casa Branca, num filme para a TV sobre o então candidato republicano John McCain e sua vice, Sarah Palin.

Game Change (Mudança de Jogo), com Julianne Moore no papel de Palin e Ed Harris como McCain, se baseia no livro de John Heilemann e Mark Halperin, de 2010, que documenta os bastidores da campanha presidencial dos EUA de quatro anos atrás.

Mas o novo filme, com estreia marcada para 10 de março, se concentra na ascensão de Palin, ex-governadora do Estado do Alasca, como vice na chapa de McCain no Partido Republicano.

"Sentimos que a história de Sarah Palin é verdadeiramente uma das grandes histórias da política americana de nossa época", disse o roteirista Danny Strong a repórteres de TV na sexta-feira.

Julianne disse ter passado horas se exercitando com um especialista em voz para alcançar o 'peculiar jeito de falar' de Palin, e que também leu o livro de Palin e acompanhou o reality show dela na TV, chamado 'Sarah Palin's Alaska'.

É uma tarefa árdua interpretar alguém que está viva e também é imensamente conhecida. Portanto, para mim, a coisa mais importante era a precisão. Nós todos estamos muito familiarizados com ela e aqueles momentos icônicos de quatro anos atrás", disse Julianne, que começou a carreira no drama As Horas e Minhas Mães e Meu Pai.

Strong disse ter feito entrevistas com todos as pessoas que viraram personagens no filme, com exceção de Palin. No caso dela, ele usou como referência o livro de Palin, Going Rogue como fonte principal.

"Sua situação era extraordinária. Ela foi alguém envolvida em políticas estaduais e repentinamente alçada à política internacional, e, claramente, não estava preparada", afirmou Julienne.

"Ela era tão incrivelmente carismática e tão inacreditavelmente capaz de se comunicar, uma autêntica populista", afirmou a atriz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.