Divulgação
Divulgação

Jonathan Banks fala sobre seu personagem em 'Better Call Saul'

Ex-policial Mike Ehrmantraut analisa sua transformação

Pedro Antunes , O Estado de S. Paulo

15 Março 2015 | 18h00

“O Mike é um homem que perdeu sua alma”, explica Jonathan Banks sobre o personagem dele em Better Call Saul, série derivada de Breaking Bad, sucesso também criado por Vince Gilligan, que foi ao ar entre os anos de 2008 a 2013 e ganhou dois Globos de Ouro e 16 estatuetas do Grammy. Mike Ehrmantraut é um dos personagens que retornou para o novo seriado, que se passa anos antes, e pode ter garantido a Banks a sua terceira indicação ao Emmy no mais recente episódio, disponível na última terça-feira, 10, na Netflix brasileira (nos Estados Unidos, ele é liberado um dia antes). 

O sexto capítulo marcou o fim de uma parte do mistério que envolve o passado de Ehrmantraut, sempre exibido como um sujeito de quem ninguém gostaria de cruzar o caminho. Quase totalmente montado em flashback para os momentos anteriores a Better Call Saul, o episódio, enfim, desvenda o segredo que endureceu ainda mais o personagem mais durão que passou pela cidade de Albuquerque, no Novo México. Atenção: spoilers a seguir.


A trama deixa a ensolarada Albuquerque e vai para a Filadélfia, O sol sai de cena, dando espaço para momentos enclausurados e noturnos. Ehrmantraut é um policial, assim como o filho dele. Quando o descendente dele é assassinado, por motivos então misteriosos, a vida do personagem de Banks desanda. 

“Eu me lembro de uma conversa que tive com Vince (Gilligan), sempre disse a ele que muito do que víamos de Mike em Breaking Bad era relacionado ao filho dele. Foi uma intuição minha, ajudou para compor o personagem, e ele ficou com essa ideia na cabeça”, explica o ator, em uma entrevista com jornalistas de todo o mundo, por telefone. “Neste último episódio, finalmente conseguimos descobrir de onde vem essa sombra que acompanha o Mike para onde quer que ele vá.” 

Banks explica que Ehrmantraut nunca se perdoou pelo que aconteceu com o filho. Em certa cena, ele chora diante da esposa do filho, ao revelar os motivos que a levaram a se tornar viúva e mãe solteira. O personagem que chega em Breaking Bad, como alguém que entende do submundo e da força policial, como uma espécie de ajudante do advogado canastrão Saul Goodman, é uma extensão do que foi exibido no mais recente episódio. 

“Mike não se perdoa, entende?”, explica Banks. “Algumas pessoas no mundo apenas se justificam pelo o que fazem, buscam uma forma de explicar. É o caso de Walter White”, diz ele, citando o protagonista de Breaking Bad, o professor de química desvalorizado que descobre um câncer no pulmão e se torna um chefão do tráfico de metanfetamina. “O Mike, não. Ele sabe que fez uma coisa terrível e viverá com isso pelo resto dos dias.” Banks diz que busca nas “sombras” da própria vida para conseguir dar vida a Ehrmantraut nas telas. “Também acredito que devo seguir em frente, por mais que tenha coisas ruins na minha vida.” 

Os dois melhores episódios de Better Call Saul, até agora, foram justamente os momentos que mostraram a fragilidade de seus protagonistas. Na estreia, com o Saul e, agora, com Ehrmantraut. Enquanto Breaking Bad ganhava os fãs pela trama. Better Call Saul apela - muito bem - para a alma. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.