Mario Anzuomi/Reuters
Mario Anzuomi/Reuters

John Goodman era um homem sem uma série. Agora ele está em todo lugar

Ator fala sobre seu desemprego de curta duração entre o cancelado 'Roseanne' e sua sequência, 'The Conners', que ele estrela assim como a comédia de Danny McBride 'The Righteous Gemstones'

Kathryn Shattuck, The New York Times

21 de agosto de 2019 | 03h00

John Goodman não queria monopolizar a televisão. Ele estava satisfeito em apenas ser Dan Conner – um americano comum, ressuscitado dos mortos no ano passado na nova na nova versão da série Roseanne – quando um tuíte racista de Roseanne Barr decretou o fim da série. Depois disso, Danny McBride ligou imediatamente para Goodman para falar de sua nova série da HBO, The Righteous Gemstones.

“Eu estava desempregado e foi uma ótima notícia”, lembra-se Goodman. “Li o piloto e disse: ‘Sim cara, estou livre, vou fazer’.” Uma semana depois, Goodman soube que a ABC queria rodar The Conners, derivada de Roseanne, sem a atriz que deu nome à série, Roseanne Barr. “Assim, estou ocupando todo o dial”, disse ele.

Na série Gemstones, com personagens que vêm e vão, Goodman é o que ele chama de “conservador taciturno”: o dr. Eli Gemstone, patriarca de um império televangelista que chora a morte da querida mulher (Jennifer Nettles) ao mesmo tempo que sofre com as tolices dos filhos (Adam Devine, Edi Patterson e McBride). 

Com sexo, drogas, neuroses, cobiça e bufês sulistas, numa autêntica tradição McBride, a série é hilária com suas mansões, seu carro Mercedes-Benz classe G e os jatinhos batizados de Pai, Filho e Espírito Santo.

Goodman encerrou recentemente Gemstones em Charleston, Carolina do Sul, e estava prestes a começar a rodar a segunda temporada de The Conners quando telefonou de Los Angeles, voltando de sua casa, em New Orleans.

Seguem-se trechos editados da conversa. 

Está me ouvindo? (A ligação estava ruim.)

Sim. Você está ligando de sua casa no Upper East (bairro luxuoso de Nova York)?

Quem me dera estivesse...

Também gostaria de morar numa casa no Upper East Side. 

Você não tem uma residência palaciana em Los Angeles ou outro lugar?

Não, é muito menos que palaciana. Quando fiquei um novo-rico na TV, eu tinha a propriedade palaciana em Encino, que vendi para David Hasselhoff. 

A casa de Eli é palaciana. Onde foram filmadas as três mansões dos Gemstones? 

Em Charleston Bay, Charleston. Fui preso vadiando por lá. 

Epa! Preso enquanto estava filmando?

Não, estou brincando. 

Eu já ia perguntar se eles não sabiam quem você é. 

Espero nunca ter de dizer isso.

Você parece que foi feito para o papel de Eli. Inspirou-se em alguém em particular?

Estava tudo no roteiro. Eu não tinha um modelo para escolher, e nunca tinha ouvido falar de alguém como ele. O cara é vazio e está desmoronando porque vivia para a mulher. 

Você assistia a televangelistas como Eli quando estava crescendo, no Missouri? 

Na verdade, não. Minha família era da Convenção Batista do Sul e isso era muito poderoso, muito emocional. As pessoas chegavam às lágrimas. Só pensavam em se confessar e se reconverter para se salvar. Não era nada racional. Acho que meu personagem quer se afastar disso. Seu pai era aparentemente pentecostal e ele gosta de ternos da Barneys e de jatos. Quer apenas mostrar o que considera um pouco mais de classe, usando anel de dedinho e abotoaduras de ouro. 

Demorei um pouco para reconhecer Jennifer Nttles, da banda Sugarland, como Aimee-Leigh.

É, eu pensava que ela já fosse atriz – e deve ter sido alguma vez. Não sabia que ela era dessa banda até minha filha me dizer. E me senti idiota por perguntar o que ela já havia feito. Mas não dá para pôr a pasta de dente de volta no tubo. Ela é ótima companheira de trabalho e uma grande pessoa. 

Algum dia vamos ouvir você cantando com ela?

Não. Concluí que não tenho nenhum talento musical no dia em que parei de beber. Achava que era inspirado pelas musas, mas estava enganado. 

Você logo vai rodar a segunda temporada de 'The Conners', que foi renovada para ter ainda mais capítulos que a primeira.

Sim, fiquei surpreso. Isso significa que estarei terminando na época de começar a outra série, The Righteous Gemstones.

Você sabe qual será o destino de Dan Conner na segunda temporada?

Não tenho ideia. Não sabia para onde eu ia no ano passado. Provavelmente para não muito longe. 

Como é mudar de Roseanne para The Conners sem Roseanne Barr?

Sempre acho que as coisas são assustadoras, mas não são tão assustadoras assim e sempre temos um ao outro. Sentimos uma falta enorme dela. Ninguém pode ocupar seu lugar. 

Você falou com Roseanne depois do que aconteceu? 

Não. 

Então vocês simplesmente se reagruparam e preencheram o vazio que ela deixou?

É impossível fazer isso, mas todos se ajustaram. Foi na verdade como uma morte na família, exceto que ninguém precisou levar pratos para o fim do velório. 

Uma vez que você está gravando 'The Conners' em Los Angeles, isso significa que você estará permanentemente lá?

Sim. Preciso me ausentar para publicidade e então vou até minha casa em New Orleans, pego meu carro e retorno logo a Los Angeles. Faço isso todo ano. 

Qual é seu carro? 

É um Audi A8. Isso vai me fazer parecer esnobe, mas o carro tem alguns amassadinhos e não está mais perfeito.

Qual a graça em viajar de carro?

Acho que é uma realização pessoal – dirigir até começar a dançar na pista ou ficar esperando faróis se aproximando. Vou até enquanto puder ver o país e ouvir música no carro: rocks antigos, jazz antigo, música country antiga. Tudo antigo. 

Você ainda não está entediado? 

Não. Bem...

Um pouco? 

Vou me entediar muito antes de você conseguir me entediar. / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.