Jogo de gato-e-rato no amor agita 'Beleza Pura'

Encontros e desencontros, amores e desamores será a nova saga dos personagens da nova novela das 7

O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2008 | 00h52

É logo nos primeiros capítulos de Beleza Pura que o engenheiro Guilherme (Edson Celulari) e a dermatologista Joana (Regiane Alves) vão se apaixonar. Mas muita água deve passar embaixo da ponte até que os dois fiquem juntos. Antes, o vaidoso Guilherme passará por um tufão, ao ser responsabilizado por um acidente de helicóptero, com cinco vítimas. E sairá em busca da redenção. "O Guilherme é uma pessoa extremamente egocêntrica, que só pensa nele. Com o acidente, ele perde o emprego, a credibilidade como engenheiro, tudo. Como acredita que foi o responsável pelo acidente, vai atrás do sonho de cada uma daquelas cinco pessoas que morreram, e melhora como ser humano", explica a autora, Andréa Maltarolli. Assim, leve e despretensiosa, a nova novela das 7 estréia no dia 18, com a proposta de entreter donas de casa, adolescentes e crianças, que compõem o heterogêneo - e, por isso, difícil de agradar - público do horário. "Em novelas, o maior desafio hoje em dia é o horário das sete. Temos um texto ágil, que possibilita uma direção mais ágil também", adianta o diretor-geral, Rogério Gomes, o Papinha. A trama de Beleza Pura se concentra em Niterói, cidade que não é um cenário comum para novelas, apesar de estar tão próxima do Rio. E tem como pano de fundo o mundo da vaidade - desde uma clínica estética chique até um salão de beleza suburbano. Mas a autora não quer simplesmente criticar a paranóia contemporânea da beleza. "Vamos falar da beleza ética, da busca pela harmonia", define. Em sua estréia em novelas, Andrea conta com a supervisão de Silvio de Abreu. Saída da Oficina de Atores da Globo em 1994, ela foi um dos nomes que implantou o projeto de Malhação na emissora, há dez anos. Lá, lapidou o texto, mas não foi onde aprendeu a escrever novela. "Uma amiga era vizinha do Antônio Grassi. Ele jogava os roteiros fora, e ela pegava no lixo para me dar. Foi assim que aprendi, lendo e relendo os roteiros que ele jogava no lixo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.