Andrew Lipovsky/NBC
Andrew Lipovsky/NBC

Jimmy Fallon pede desculpas por blackface no 'Saturday Night Live'

Programa que foi ao ar 20 anos atrás reapareceu nas redes sociais recentemente; 'Não há desculpas para isso', ele disse

Sandra E. Garcia, The New York Times

27 de maio de 2020 | 09h32

Jimmy Fallon, apresentador do The Tonight Show, pediu desculpas nesta terça-feira, 26, por usar uma blackface ao representar o comediante Chris Rock no Saturday Night Live duas décadas atrás.

"Em 2000, quando eu estava no SNL, eu tomei uma decisão terrível de representar Chris Rock usando uma blackface,” disse Jimmy Fallon no Twitter. "Não há desculpas para isso. E sinto muito por ter tomado essa decisão inquestionavelmente ofensiva e agradeço a todos por me responsabilizarem", ele escreveu. 

No vídeo que ressurgiu nas redes sociais recentemente, Fallon aparece do lado oposto de Darrell Hammond, que estava imitando o apresentador de TV Regis Philbin. Fallon usa uma blusa de gola alta, uma jaqueta preta de couro e uma peruca. Seu rosto está coberto com maquiagem preta. Ele aperece na esquete por menos de um mininuto. "Eu vi 'Quem Quer Se Um Milionário' e adivinhe... Não há muitos negros", disse na programa. E completou: "Sabe por que? Porque os negros não gostam de responder perguntas. Oh, eles querem ser milionários, mas você precisa perguntar a eles perguntas do tipo: Em 1981, quantos gramas de crack Rick James fumou quando ele gravou Super Freak?"

Fallon não quis comentar sobre o restante do programa. Rock não respondeu aos pedidos de um posicionamento. Fallon não é o único do programa a usar blackface no passado. Um vídeo de Jimmy Kimmel, apresentador do Jimmy Kimmel Live, da ABC, usando uma blackface enquanto representava o jogador da NBA Karl Malone em The Man Show, ressurgiu no ano passado. Kimmel não falou sobre o vídeo recentemente.

Tudo o que sabemos sobre:
Jimmy FallonChris RockJimmy Kimmel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.