AFP PHOTO / CHRIS DELMAS
AFP PHOTO / CHRIS DELMAS

Jay Hernandez mostra na Comic-Con nova versão de 'Magnum' com sangue latino

Série que alçou à fama o ator Tom Selleck retornará à televisão repaginada

Antonio Martín Guirado, EFE

22 de julho de 2018 | 17h12

SAN DIEGO — Magnum, a série que alçou à fama o ator Tom Selleck, retornará à televisão com uma nova versão protagonizada pelo latino Jay Hernandez, sem o icônico bigode, mas com mais ação que nunca e a firme intenção de atrair os espectadores mais jovens.

"Espero que a série tenha um impacto similar ao da original nos anos 80. Demos de tudo para que faça sucesso e as pessoas gostem. Quero atrair uma nova geração de fãs, esse público que talvez tenha ouvido falar do personagem, mas não está muito familiarizado com ele", disse Hernandez, exibindo uma barbicha rala que manterá na ficção.

"Mas também rendemos uma homenagem à série original com várias citações ao longo da temporada que os fãs captarão rapidamente", afirmou o ator sobre o programa que estreará no próximo dia 24 de setembro na emissora CBS.

Na série, Thomas Magnum, um antigo soldado da Marinha americana, retorna ao seu lar no Havaí após ter servido no Afeganistão e decide utilizar suas habilidades militares para se tornar investigador particular.

"Estamos tentando captar a essência do personagem", declarou Hernandez. "É alguém encantador e carismático, e sempre encontra a maneira de escapar das situações mais comprometidas. Esse elemento de escapismo se mantém, assim como o humor. Mas também há drama e muitíssima ação", acrescentou.

Tanto é assim que o diretor do primeiro episódio, que começa com uma cena na qual o investigador salta de uma nave espacial, é Justin Lin, conhecido pelas suas trepidantes cenas nos filmes da saga Velozes e Furiosos.

"Esse é o público que queremos atrair. É possível que não conheçam bem o personagem, mas gostam de ação", destacou o ator.

"Em qualquer caso, Magnum está dentro da consciência popular deste país e tomara que o público adulto também nos assista. Voltaremos a colocar na moda a Ferrari vermelha", disse entre risos em alusão ao modelo de carro que se tornou emblema da série original.

O elenco é completado por Perdita Weeks, Zachary Knighton e Stephen Hill, uma escalação diversa liderada por um latino como Hernandez, nascido nos EUA e de ascendência mexicana.

"As coisas estão progredindo em Hollywood para nós. Não quero ser cínico. A realidade é que o motivo da mudança é econômico. Os elencos com mais diversidade tendem a ter mais sucesso e serem vistos em mais lugares do mundo", considerou.

"É lento e é por dinheiro, mas está acontecendo. Para mim é uma oportunidade genial, especialmente no clima político atual tão repressivo, poder fazer um personagem tão icônico e tão americano. É preciso refletir a diversidade deste país e na série faremos isso", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.