Divulgação
Divulgação

'Jane é o cara de quem adoraria ser amigo’

Em conversa com o ‘Estado’, Simon Baker se mostra parecido com seu personagem, protagonista de The Mentalist

Entrevista com

Alline Dauroiz

17 de abril de 2010 | 16h00

A astúcia e o método lógico de observação, combinados a certo ar prepotente e narcisista, lembram Sherlock Holmes. Mas o charme e a pinta de galã do consultor policial Patrick Jane não deixam dúvidas de que o show de The Mentalist é de Simon Baker, australiano indicado ao Emmy 2009 como melhor ator em série dramática. No ar pela Warner, que amanhã, às 22h, leva ao ar o 17.º episódio da 2.ª temporada, a série estreia nesta quarta-feira no SBT, na faixa das 21h15, como O Mentalista.

 

Na trama, Jane larga a carreira de vidente, assume que era charlatão e vira consultor da agência de investigação da Califórnia, depois que sua mulher e filha são mortas pelo serial killer Red John. Apenas com "acuidade mental, técnicas de hipnose e/ou sugestão" (como a série explica em cada início de episódio), o "mestre em manipulação de pensamento e comportamento" passa a desvendar crimes.

 

Antes de visitar o set da série, o Estado conversou com Baker, que, assim como Jane, mantém certo ar de mistério e o indefectível "olhar 43".

 

Seu personagem não acredita em vidência ou no sobrenatural. Você acredita?

Acredito em fé, no que funciona para cada pessoa, em concentrar energia em algo positivo. Queria ser mais místico, por conveniência. Não acredito em poderes de vidência, o que não significa que eles não existam.

 

Já encontrou uma vidente que disse que a série seria sucesso?

Não, mas tinha um bom pressentimento. Talvez seja fé e otimismo. Talvez eu seja um vidente!

 

Por que você acha que o show é sucesso nos Estados Unidos?

Acho que é porque não é uma série patriótica. É uma atração com apelo universal. E outra: temos humor e não usamos ciência ou tecnologia para resolver crimes.

 

Jane agora é o queridinho da América...

Ele é imperfeito, mas diz o que o público quer dizer, fala o que pensa. Não estou bem certo, mas ele é um cara de quem eu adoraria ser amigo e receber em casa para jantar.

 

 

Outros papéis

 

TEREZA LISBON (ROBIN TUNNEY)

Chefe de investigação, é resistente à presença de Jane na equipe, mas reconhece seu mérito. Vira sua parceira de trabalho

 

KIMBAL CHO (TIM KANG)

Colega de trabalho de Jane, é sarcástico, cético e excelente observador. Destaca-se na hora de interrogar os suspeitos

 

GRACE VAN PELT (AMANDA RIGHETTI)

Novata da equipe, chega a ser inocente em certas situações. Como tem sua fé, a incredulidade de Jane a intriga

 

WAYNE RIGSBY (OWAIN YEOMAN)

Admira Jane, empolga-se a cada "truque" que aprende e se esforça para chamar a atenção da bela agente Grace

 

* Viagem a convite da Warner

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.