Olivier Douliery/ AFP
Olivier Douliery/ AFP

Inspirada em Trump, Netflix ressuscita família Bluth em nova temporada de 'Arrested Development'

Criador do seriado, Mitchell Hurwitz, brincou 'que histórias sobre uma família narcisista e seu comportamento inconstante no negócio imobiliário são pouco representadas na TV'

AFP

17 Maio 2017 | 15h50

A saga da família fictícia Bluth, que vai da miséria à riqueza, e sua empresa imobiliária em dificuldades irão voltar para uma quinta temporada na cosagrada série cômica Arrested Development, anunciou a Netflix nesta quarta-feira, 17, inspirada em parte no presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Em um comunicado do canal de internet, o criador do seriado, Mitchell Hurwitz, brincou "que histórias sobre uma família narcisista e seu comportamento inconstante no negócio imobiliário - e seus abusos de poder desesperados - são pouco representadas na TV hoje em dia".

Ele acrescentou: "Sou tão agradecido a eles... por tornarem esse meu sonho realidade trazendo os Bluths - George Sr., Lucille e os garotos; Michael, Ivanka, Don Jr., Eric, George-Michael, e quem estou esquecendo, ah sim, Tiffany, eu disse Tiffany? - de volta à gloriosa correnteza da vida".

Ivanka, Don Jr., Eric e Tiffany são os nomes de quatro dos filhos de Trump, e não de personagens das quatro temporadas anteriores de Arrested Development.

Donald Trump Jr. e Eric Trump atualmente conduzem o negócio imobiliário de seu pai.

O elenco do programa - Jason Bateman, Portia de Rossi, Will Arnett, Tony Hale, Jessica Walter, Jeffrey Tambor, David Cross, Michael Cera e Alia Shawkat - irá reprisar seus papéis como membros da família Bluth.

Não se informou nenhum detalhe sobre a trama da nova temporada nem sobre em que momento do ano que vem ela irá ao ar.

Arrested Development foi exibida originalmente durante três temporadas no canal Fox entre 2003 e 2006 e acompanha a saga dos Bluth depois que o patriarca George Sr. é preso por fraude. A Netflix retomou a série para uma quarta temporada em 2013, sua primeira investida em conteúdo original.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.