Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Indústria pornô e velório são temas da série 'O Infiltrado'

Nova temporada faz incursão pelo funk carioca e o futebol

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

30 Setembro 2014 | 03h00

Começa nesta terça-feira, no canal History, às 23h, a 2.ª temporada de O Infiltrado, produção nacional protagonizada pelo jornalista Fred Melo Paiva, sempre disposto a se infiltrar em universos que lhe apresentem algum conflito. A estreia traz o esperado episódio sobre indústria pornô, pronto desde a primeira temporada e só agora bem resolvido para ir ao ar. O canal chegou a cogitar sua exibição apenas na web.

Casado, Paiva experimenta esse mundinho. Se vai às vias de fato? “Tem que ver”, avisa. “Eu entro no papel em uma situação bem preliminar e vou até onde acho que posso ir.” E não é que a cena foi até levada a um festival pornô em Berlim?

Outro episódio que promete despertar atenção nesta safra é o test drive de seu próprio funeral. Convidou os amigos pelo Facebook para a ocasião. No dia da gravação, no Araçá, ao se dar conta de como seria invasivo entrar com câmeras no local, a equipe sugeriu aos responsáveis que o expediente fosse realizado na capela. “Por eles, estaria tudo certo fazer ali, nós é que tivemos o cuidado de fazer em outro lugar”. Houve discurso de despedida e foi cantado o Hino do Galo, time do coração. 

Aliás, há também um episódio sobre o fanatismo no futebol, quando o jornalista, autor de uma famosa coluna semanal sobre o Atlético Mineiro, fantasia-se de bicho e desembarca no meio da torcida do Cruzeiro. Será orientado por um padre atleticano a “amar um cruzeirense”. A situação foi tensa.

Melo Paiva mergulha ainda no universo do funk, guiado por Fernanda Abreu, com quem faz uma aula de balé, até chegar a Mr. Catra e ao funk ostentação.

A temporada reserva ainda um episódio ao comportamento muito peculiar dos cariocas, prato cheio para um mineiro como ele, e nas seitas do Planalto Central, onde ele se apresenta como reencarnação do conterrâneo Juscelino Kubitschek. 

Mais conteúdo sobre:
O Infiltrado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.