Bob Mahoney/HBO
Bob Mahoney/HBO

Indicada ao Oscar, Cynthia Erivo torna 'The Outsider' mais interessante

Série ganha força com a atriz, que vive a detetive Holly Gibney e disputa Oscar de atuação por ‘Harriet’

Mariane Morisawa, Especial para o Estado

02 de fevereiro de 2020 | 10h00

LOS ANGELES - The Outsider se passa numa cidade pequena e envolve a investigação de um crime horrível. Some-se a isso um clima fantasmagórico e o fato de também ser da HBO, e não demoraram as comparações com True Detective. “É bom ser comparado a um produto realmente bom, mas queremos ser avaliados por nossos próprios méritos”, disse Andrew Bernstein, um dos diretores da série, que exibe seu quinto episódio neste domingo, às 23h. “Chegamos até a falar com a HBO quando os comentários começaram a aparecer, mas fizemos uma história sobrenatural, então não somos True Detective.”

The Outsider tem, afinal, sua assinatura própria, já que é baseado num romance de Stephen King. Na trama, um menino é brutalmente assassinado numa cidadezinha. Seguindo as pistas, o detetive Ralph Anderson (Ben Mendelsohn) chega a um suspeito: o pai de família e treinador do time infantil de beisebol Terry Maitland (Jason Bateman, também diretor dos dois primeiros episódios).

Mas logo surgem dúvidas sobre provas que parecem concretas, pois Terry estaria em outro lugar na hora do crime. Depois de tentar buscar uma justificativa para isso, Anderson, que diz acreditar só no que é explicável, aceita a ajuda de alguém que, em si, é inexplicável: Holly Gibney (Cynthia Erivo), que aparece no terceiro episódio, dando uma boa sacudida na série. Gibney está no espectro autista e tem dificuldades com a vida em sociedade, mas seu cérebro é como um computador, e ela definitivamente acredita naquilo que não tem explicação. 

A personagem apareceu em outros livros de Stephen King e em outra série, Mr. Mercedes. Mas aqui o roteirista Richard Price (The Wire e The Night of) e os produtores tiveram oportunidade de fazer algumas mudanças, exceto uma. “Eu pedi para mudar o nome, e ele disse não”, contou Price. “Mas a nossa Holly é muito diferente da série Mr. Mercedes. Nossa Holly é feita por uma atriz britânica de origem nigeriana, em vez de branca”, disse, referindo-se a Erivo, que concorre ao Oscar por sua interpretação em Harriet. Em participação via satélite de Tóquio, a atriz explicou sua atração pelo papel. “Fiquei intrigada com Holly. Nunca vi essa pessoa em uma tela antes”, afirmou, comentando sobre a estranheza da personagem. 

A atriz também deu sua opinião sobre comentários de Stephen King no Twitter acerca da falta de pessoas não brancas no Oscar deste ano. Ele disse que nunca consideraria a diversidade em questões artísticas, só a qualidade. “Não posso resolver como equilibrar diversidade com qualidade do trabalho porque faço parte do mundo da diversidade”, disse. “É preciso mudar o processo de escolha de atores, de produtores, de diretores e de roteiristas para ter certeza de que se está refletindo o mundo em que vivemos. Assim teremos mais diversidade.”

Tudo o que sabemos sobre:
HBO [canal de televisão]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.