Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

'Hoje vivemos uma época em que tudo se polemiza', diz Gloria Perez

Autora da novela das 9 da Globo, 'A Força do Querer', fala sobre tabus na televisão

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2017 | 06h01

Bibi e Rubinho vão pagar pelos crimes que cometeram? Ruy e Zeca vão fazer as pazes? Em entrevista ao Estado, a autora Gloria Perez não quis, claro, revelar os principais desfechos de sua novela das 9, A Força do Querer, que chega ao final na sexta, 20. Mas saiu em defesa de sua Bibi Poderosa (Juliana Paes), inspirada numa personagem real, e rebateu as críticas à interpretação de Fiuk: “Todo mundo começou inexperiente, vamos dar um crédito a ele”. Gloria entregou os últimos capítulos há mais de dez dias – as gravações devem se estender até quinta, 19. Com A Força do Querer, a autora voltou a elevar a audiência na faixa das 9, com uma trama impactante – algo que talvez não era visto desde Avenida Brasil –, temas polêmicos e um grande elenco feminino, de protagonistas a coadjuvantes, que roubaram a cena.

Personagens femininas são sempre importantes na sua obra, mas houve, em 'A Força do Querer', um rol grande de mulheres em destaque. Foi intencional?

Essa novela foi pensada para ter três protagonistas (Bibi, Jeiza e Ritinha), então elas tinham de ser muito fortes. 

E o restante do elenco feminino foi crescendo pela interpretação das atrizes ou as personagens foram se desenvolvendo?

Com certeza. Quero dizer que a trama gira em torno de três personagens. E a Ritinha (Isis Valverde) é o eixo da história, é em torno dela que todas as outras histórias se formam. Quando começa a trama, tudo o que se desenrola é porque ela provoca essa cisão entre o Ruy (Fiuk) e o Zeca (Marco Pigossi). Geralmente, minhas novelas são protagonizadas por mulheres, é uma coisa minha mesmo. 

Você usa muito Twitter. A audiência ainda é fator fundamental como termômetro, mas como a rede social mostra para você a reação do público? E isso interferiu em algum caminho a seguir? 

Continuo achando que a repercussão das ruas é mais verdadeira, mais real. Na rede social, o Twitter especialmente, você tem muita panfletagem e campanha, então ali você precisa ter muito filtro, para saber o que deve ouvir e levar em conta e o que não deve levar. A gente sempre escuta o público, mas não é para mudar a história. Se o público não está entendendo o que você está querendo dizer, você diz diferente, mas para chegar no mesmo lugar que estava planejado. Se você for seguir a imaginação do público... Leio cada coisa no Twitter. Claro que, em todas as redes, você pode ouvir várias coisas interessantes, até críticas bem fundamentadas. 

E, dessas críticas, o que lembra ter levado em consideração?

Por exemplo, percebi num determinado momento que pessoas mais jovens estavam antipatizando com Joyce (Maria Fernanda Cândido), não estavam compreendendo o que ela estava passando. Quem é filho se põe na posição do filho. Percebi que uma determinada faixa estava não antipatizando com a personagem nem desvalorizando a personagem ou a atriz, mas antipatizando com as atitudes da personagem em relação à filha, a não aceitação (de ela ser trans). Então, você vê isso e diz: chegou o momento de fazer a Joyce explicar melhor o que ela está sentindo, quando você sente que isso não vem de uma pessoa só. Fiz isso, e esse mesmo grupo de garotada que estava com raiva da Joyce está morta de pena dela. É nesse sentido que o público interfere: não de mudar a história, mas de construir, de desviar o olhar para onde você quer. 

Ao tratar de um personagem transgênero como Ivana/Ivan (Carol Duarte), a ideia era promover o debate. Como você viu a reação do público em geral?

O resultado final foi surpreendente e maravilhoso, porque as pessoas realmente acolheram Ivana/Ivan. Óbvio que era uma personagem muito cuidadosa. Não só eu construir muito bem a história, como uma atriz que contasse para o público essa história, com uma direção, um figurino, uma caracterização. Exigiu muito de todos nós que isso fosse passado com verdade. E o segredo foi criar primeiro uma empatia dela com o público. Não é que ela chegou e disse ‘sou trans, mamãe, sou um menino’. Não, busquei um ponto de partida que fosse comum a todas as pessoas, algo que todo mundo já tenha vivido em algum momento da vida. Alguma coisa a ver com a identidade. Nem que seja na adolescência, as pessoas se perguntaram ‘quem eu sou’, ‘como é que eu sou’, ou ‘estou insatisfeito com minha aparência’. Parti de um sentimento, de uma sensação mais universal para começar a criar essa empatia, para depois mostrar qual era o problema particular da Ivana. Daí o público já tinha criado com ela uma empatia. Até pessoas muito conservadoras já estavam tão angustiadas com o sofrimento dela que queriam que ela fosse feliz do jeito que fosse. 

Aliás, como chegar a esse tipo de público mais conservador? 

É criando essa empatia. Estive em Belém e um garoto veio falar comigo. Ele era gay e disse que o avô era militar e não falava com ele, tinha rejeição. Depois, ele recebeu um telefonema do avô dizendo que estava vendo a novela e que gostaria de conversar com ele. São coisas que mudam uma vida, que chegam a tocar a existência real das pessoas. 

Houve quem reclamasse que a personagem Bibi coloca em evidência uma ex-mulher de traficante que existiu na vida real.

Comprei o livro dela, queria fazer uma minissérie com esse livro. Não acho que seja dar cartaz a uma pessoa, até porque é um livro de uma pessoa que faz uma autocrítica. Achei interessante mostrar esse ponto de vista, que ainda não tinha sido mostrado. O deslumbramento que o tráfico, que esse universo exerce sobre pessoas, existem milhares de Bibis. Então, isso não me incomoda em nada, acho uma maneira pequena de enxergar as coisas. E acho que tem um pouco de machismo embutido nisso, porque vejo que as mesmas pessoas que querem a guilhotina para a Bibi me escrevem também pedindo para soltar o Sabiá (Jonathan Azevedo). O Sabiá é o chefe do tráfico, a Bibi não matou ninguém. É uma mulher que está deslumbrada, apaixonada. E todos querem o Sabiá na rua e a Bibi presa?

Os temas são também parte importante de sua obra. Existe ainda algum tema tabu quando se pensa em novela?

Lógico que existem temas que são complicados para colocar numa novela, porque, quando você fala numa TV aberta, tem que pegar a média do grande público. Se você quer falar para todo mundo, para as pessoas dos mais diferentes credos religiosos, das mais diferentes vertentes, tem que encontrar uma média. Você pode tratar de todos os temas, mas tem de encontrar o tom certo de tratá-los. 

Então, não existe assunto que não pode ser tratado, mas como ele vai ser tratado.

Acredito que sim, mas hoje estamos vivendo uma época em que tudo se polemiza. Você vê que até essa história da Bibi é polemizada. Amanhã, se você for fazer Lampião e Maria Bonita, vai aparecer quem diga que está fazendo elogio do cangaço. As pessoas têm o microfone na mão e precisam dizer qualquer coisa, querem ter opinião. A gente vive essa época, todo mundo tem uma opinião e quer impor a opinião. Então, vão tentar criar polêmicas sempre. 

Mais conteúdo sobre:
TelevisãoGlória Perez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.