Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

HBO busca apelo global para séries brasileiras

Novo pacote de conteúdo original para América Latina inclui tramas com boa parte dos diálogos em francês e inglês

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

09 Abril 2018 | 06h00

Em um cenário de competição acirrada entre canais de TV a cabo e serviços de streaming para atrair o consumidor, uma das pioneiras em produção de séries no Brasil, a HBO, aposta em conteúdos locais que possam atingir uma audiência cada vez mais global. Na quinta-feira, 5, o canal – também disponível no País por meio do aplicativo HBO Go desde o fim de 2017 – apresentou novas produções que refletem a preocupação de fazer conteúdo “made in Brazil” do tipo exportação.

Segundo o vice-presidente de produções originais da HBO Latin America, Roberto Rios, o próprio crescimento da empresa exige a busca de conteúdos de alcance mais geral. Ele lembra que a HBO está hoje presente em mais de 50 países, incluindo 20 nações latino-americanas. “Se um conteúdo viaja, é porque é bom, é relevante e tem uma conexão genuína (com o espectador)”, disse o executivo ao Estado.

Produtor de Hard, uma das novas séries originais anunciadas pela HBO durante o Rio2C (Rio Creative Conference), Fabiano Gullane diz que chegou a hora de as histórias brasileiras serem contadas para uma audiência maior. “Os executivos de televisão, brasileiros ou não, querem ver o País não só como consumidor de audiovisual, mas como um grande fornecedor de conteúdo para o mundo.” 

Entre as produções apresentadas pela HBO Latin America, duas serão em formato de série limitada e duas serão séries com diversas temporadas. Todas ainda estão em fase de finalização de roteiro e não devem entrar no ar antes de 2019. Com quatro capítulos, a primeira a ter as filmagens iniciadas será O Hóspede Americano, com direção de Bruno Barreto (Dona Flor e Seus Dois Maridos, O Que é Isso, Companheiro?).

Escrita pelo americano Matthew Chapman e com diálogos em português e inglês, a série foi planejada originalmente como um longa-metragem para cinema. Em entrevista ao Estado, o cineasta disse ter percebido que precisaria de mais tempo para contar a história de forma apropriada. O roteiro, baseado em fatos reais, mostra o presidente americano Theodore Roosevelt, em uma viagem pelo Rio da Dúvida, em Rondônia, no ano de 1913, ao lado do então coronel – e posteriormente marechal – Cândido Rondon.

Anunciada no ano passado, Santos Dumont – Mais Leve Que o Ar agora ganhou um formato mais bem definido. Terá seis episódios, com direção de Estevão Ciavatta e Fernando Acquarone. O papel principal será vivido pelo ator João Pedro Zappa (Gabriel e a Montanha). A narrativa trará as dificuldades de Dumont para ganhar respeito na sociedade francesa, mostrando suas diferentes invenções e sua participação na “corrida” pelo pioneirismo nos céus. 

Segundo os diretores, como boa parte da trama se desenvolve na França, cerca de 60% dos diálogos serão em francês – haverá ainda personagens se comunicando em português, espanhol e inglês. Uma curiosidade, segundo Ciavatta, é que a Paris do início do século 20 será recriada por computação gráfica. “Não vamos filmar nada em Paris”, disse.

Séries. Uma série francesa que chamou a atenção dos executivos da HBO na América Latina vai ganhar uma versão brasileira. Produzida pela Gullane Filmes e com supervisão artística de Daniel Rezende (Bingo – O Rei das Manhãs), Hard vai contar a história de uma viúva que descobre que seu recém-falecido marido era dono de uma grande produtora de filmes pornográficos.

Exibida há cerca de uma década na França, Hard terá todos os 18 episódios da série original adaptados à realidade brasileira. Gullane diz que toda a história será produzida de uma só vez, mas que a HBO deverá exibir a comédia em três temporadas distintas. 

Por fim, uma produção da O2 Filmes, Pico da Neblina, imagina um Brasil em que a maconha foi legalizada. O protagonista é um traficante que, de repente, vê sua fonte de renda ameaçada. Segundo Quico Meirelles, um dos diretores da série, ele passa então a enfrentar um dilema: abrir uma butique de maconha ao lado de um ex-cliente rico ou então passar a traficar drogas pesadas.

Com dez episódios, Pico da Neblina está na fase de escolha de elenco. Para selecionar o protagonista, a O2 decidiu abrir um “open casting call”. Publicou em suas páginas nas redes sociais um anúncio para que homens negros e jovens enviassem seus testes gravados pelo celular. Recebeu mais de mil candidaturas. Neste momento, disse Quico, a produtora tenta afunilar os candidatos que serão selecionados para uma oficina de elenco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.