Greve de roteiristas nos EUA preocupa anunciantes na TV

Os anunciantes de televisão estãorevendo seus contratos comerciais com as emissoras em função daonda de reprises que deve atingir os telespectadores devido àgreve dos roteiristas, ameaçando prejudicar os índices deaudiência. A greve iniciada pelos membros do Sindicato dos Roteiristasda América, que querem uma participação maior na receita de seutrabalho em DVD e na Internet, vai causar impacto naprogramação noturna, na medida em que talk-shows populares como"The Tonight Show With Jay Leno" e "Late Show With DavidLetterman" começarem a exibir reprises. As reprises não são atraentes para os anunciantes, porquegeralmente atraem audiência menor que os episódios novos. "O problema com a TV é que negociamos com base naaudiência", disse Dennis McGuire, executivo da empresa deserviços de mídia Carat. "Com esta greve, os anunciantes vão reavaliar a audiênciaque tinham previsto para determinados programas." Muitos estúdios de TV já tinham produzido episódiosadiantados de seus seriados para poder manter uma programaçãonova no ar até janeiro ou fevereiro, mas os anunciantes, quecostumam planejar com até seis meses de antecedência, podem jáestar procurando maneiras alternativas de chegar aosconsumidores. A produção antecipada de episódios e outras táticas, comocolocar no ar mais programação de reality shows -- que nãorequer roteiros --, vai proteger vários grupos de mídia dosefeitos de curto prazo da greve dos roteiristas. O efeito sobre o cinema será menos evidente, porque osestúdios já contam com uma boa quantidade de roteiros prontospara durar até o final de 2008. "O impacto da greve deve ser mínimo no curto prazo, já quea programação das emissoras da CBS, Walt Disney e News Corp.inclui muitos esportes", disse Jonathan Jacoby, analista daBank of America Securities. Os executivos da CBS dizem estar prontos para enfrentar agreve. O executivo-chefe da rede, Leslie Moonves, disse na semanapassada: "Estamos plenamente preparados para oferecerprogramação alternativa, e não prevemos nenhum impacto materialsobre a empresa pelo resto da temporada televisiva."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.