PEDRO CURI/DIVULGAÇÃO – 15/9/2016
PEDRO CURI/DIVULGAÇÃO – 15/9/2016

Globo ainda decide o que fazer com o enredo da novela ‘Velho Chico’

Enterro do corpo de Domingos Montagner, protagonista da novela, será neste sábado, 17, em São Paulo

O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2016 | 03h00

O novelista Benedito Ruy Barbosa, autor de Velho Chico, ainda irá se reunir com seu colaborador, o neto Bruno Luperi, e o diretor da novela, Luiz Fernando Carvalho, para traçar os rumos da trama sem seu protagonista, Santo dos Anjos, vivido por Domingos Montagner, que morreu afogado no Rio São Francisco na quinta-feira, 15, na divisa entre os estados de Sergipe e Alagoas. O corpo do ator vai ser sepultado neste sábado, 17, em São Paulo, no Cemitério da Quarta Parada, na zona leste da cidade. O velório está marcado para o mesmo dia, a partir das 9 h, no Teatro Fernando Torres, no bairro do Tatuapé.

Ruy Barbosa já decidiu que o ator será homenageado ao fim da novela. “Para ser franco, ainda não sei o que vamos fazer. Não há como remediar. Vou me reunir com meu neto e com o diretor para discutirmos. Quero homenageá-lo. Ainda não imaginei nada, mas o coração é que vai falar quando eu for escrever. Não podemos esquecer da novela, mas a hora agora é de pensar nessa grande pessoa que foi o Domingos. Acho que nunca tinha tomado um choque tão grande na minha vida”, disse Ruy Barbosa ao jornal O Globo.

Existem cinco capítulos gravados, que iriam ao ar até a próxima quarta-feira, 21. A novela tem previsão de terminar no dia 30 de setembro, com 180 episódios. A cena final, com Montagner, já havia sido gravada. A seguir, revelações sobre o desfecho de Velho Chico.

A cena final da novela mostraria Santo (Montagner) e Tereza (Camila Pitanga) abraçados de frente ao rio São Francisco, relembrando rapidamente as dificuldades que enfrentaram para ficarem juntos. E diriam que o rio foi testemunha dessa história de amor. A palavra “fim” seria exibida sobre o São Francisco. O último episódio mostraria o casamento de Santo e Tereza. Estas cenas, segundo apuração do Estado, seriam gravadas no Projac. Haveria um curto salto no tempo e o casal apareceria com os netos, frutos do casamento de Olivia e Miguel.

No penúltimo capítulo, Santo sofreria uma sabotagem de Carlos Eduardo (Marcelo Serrado), que iria destruir as bombas de irrigação da fazenda Piatã e atrapalharia as plantações. Desesperado, o protagonista usaria sua criatividade para resolver o problema: tiraria água de bananeiras para irrigar o solo, salvando a plantação. As gravações seriam retomadas no domingo, 18.

A audiência do episódio de quinta-feira, 15, aferida pelo Ibope, chegou a 35,15 pontos na Grande São Paulo (quase igualando-se ao recorde, registrado na noite de estreia, de 35,4) e a 37 no Rio – na cidade, o recorde é de 38, também do primeiro capítulo. Cada ponto no Ibope equivale a 69,4 mil domicílios em São Paulo e a 43,3 mil no Rio (número proporcional à população). Os créditos finais correram em silêncio, em respeito à memória de Montagner, que tinha 54 anos e, depois de larga vivência teatral e circense, experimentou o sucesso popular nos últimos seis, quando chegou à TV Globo.

Em um vídeo divulgado pelo site da Globo nesta sexta, 16, o ator aparece agradecendo o carinho do público e da equipe da novela, após a gravação da última cena. Ao lado de Camila Pitanga e Gabriel Leone e muito alegre, ele diz: “estamos aqui em Alagoas na derradeira viagem de gravações de Velho Chico, encerrando esse épico maravilhoso, cheio de amor, emoção, carinho e amizade”. Ele também presta uma homenagem aos moradores da região. “Tem que ser muito guerreiro para suportar essas adversidades, só com muito amor e determinação.” 

Na página oficial do ator no Facebook, a família postou um breve comunicado: “A família de Domingos Montagner agradece as manifestações de carinho, apoio e solidariedade que tem recebido de todos e busca reunir a força necessária para atravessar – com serenidade e discrição – este momento difícil, íntimo e delicado ao lado dos amigos e familiares”.

O irmão do ator, Francisco Montagner, falou à Rádio Bandeirantes sobre Domingos. “Foi um pai, um irmão. Muito prestativo. Deve ter inspirado o brasileiro com sua personalidade.” Emocionado, Francisco fez um pedido. “Peço aos brasileiros que, dentro da alma de cada um, encontre um conforto para essa situação. Isso vai deixá-lo mais tranquilo, onde quer que esteja”, disse.

Sepultamento. O corpo do ator foi liberado do Instituto Médico Legal (IML) de Aracaju, capital de Sergipe, na manhã de sexta-feira, 16. O laudo apontou que Domingos Montagner morreu por asfixia mecânica por afogamento. O diretor do IML, José Aparecido Batista Cardoso, informou que havia ferimentos superficiais na região do tórax devido ao contato com pedras. “Foi encontrada uma grande quantidade de água entre o pulmão e traqueia. Foi um acidente.” Depois dos procedimentos adequados, o corpo foi levado ao Aeroporto Santa Maria, em Aracaju, no início da tarde de sexta, em direção a Jundiaí, em São Paulo, onde chegou perto das 18h30. / GABRIEL PERLINE, GUILHERME SOBOTA E ROBERTA PENNAFORT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.