'Game of Thrones': última temporada tem a difícil missão de agradar

8ª temporada de 'GoT' estreia no dia 14 de abril de 2019; 'Nunca mais vou estar numa produção assim', diz Rory McCann, ator que interpreta o Cão de Caça

Guilherme Sobota, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2019 | 03h01

LONDRES — A espera está próxima do fim: a 8ª e última temporada de Game of Thrones estreia no dia 14 de abril na HBO. Com apenas seis episódios (de duração maior do que a habitual), a série tem de amarrar os fios narrativos que foram abertos durante os últimos anos e carrega a difícil missão de agradar fãs e críticos de uma produção que se tornou a maior da TV (de todos os tempos, é possível).

São 47 prêmios Emmy – o maior número para qualquer série roteirizada – e uma média de 30 milhões de espectadores apenas nos EUA, em todas as plataformas: no Brasil e em outros 170 países, a série também é exibida pelo HBO Go, o streaming da emissora. Isso tudo sem contar a pirataria: desde 2012 a série é a líder nos sites de torrent.

Desde o início, em 2011, a série construiu seu arco principal ao redor do Trono de Ferro – quem é o reclamante legítimo do mais alto cargo da nobreza de Westeros sempre foi (e continua sendo) uma questão em debate. Mas aos poucos o foco foi se movendo para além da Muralha, ao norte do continente: aos Caminhantes Brancos e a seu enorme exército de mortos vivos que se multiplica, fortalece e aproxima. 

A última cena que vimos da série foi o Rei da Noite – o misterioso vilão cujas motivações ainda são completamente obscuras – montado em seu dragão de gelo derrubando a Muralha que por milhares de anos protegeu os humanos. O que vai acontecer agora?

Os atores já sabem, mas os segredos de Thrones sempre foram bem guardados. Na coletiva de imprensa de divulgação da última temporada, em fevereiro, com participação do Estado, jornalistas tentaram arrancar informações, mas o treinamento de mídia é poderoso.

“Pode parecer que somos preciosistas fazendo isso”, disse Liam Cunningham (Davos Seaworth). “Mas um dos aspectos da série são as enormes surpresas que aparecem na tela.”

Provocado sobre o fim de tudo, o ator norueguês Kristofer Hivju (Tormund Giantsbane) comentou que Thrones criou a possibilidade de estar aberto a qualquer desdobramento depois de matar o protagonista antes do fim da primeira temporada. “A vida não é previsível. As coisas acontecem. É uma forma brilhante criar um personagem e depois distribuir o amor que as pessoas nutriam por ele para seus herdeiros.” 

Rory McCann (Sandor Clegane, Cão de Caça) conta que a leitura final do roteiro com a equipe resultou numa ovação de 10 minutos para os criadores David Benioff e D. B. Weiss. “Nem todo mundo vai ficar feliz, mas adivinhem, quem escreveu foram eles”, provocou. Com um toque de humor, comentou: “Nunca mais vou estar numa produção assim. Minha carreira é ladeira abaixo (risos)”.

Para a jovem Maisie Williams (Arya Stark), envolvida na série há 10 anos, desde que tinha 11, porém, o futuro é uma promessa.

“Depois que você passa a ser pago para fazer o que ama, há muita pressão. Às vezes só é legal ser criativo de um jeito e se sentir vivo, e é assim que estou me sentido nos últimos seis meses.”

Uma das intérpretes mais queridas por conta da insolência de Arya nas temporadas inicias, Williams surpreendentemente diz se sentir uma atriz menos habilidosa agora. “Vejo algumas coisas da temporada um e me pergunto como fiz aquilo. Eram emoções reais. Havia uma verdade e uma ingenuidade sobre o mundo, eu era aquela garota. Com o tempo a gente perde o espanto. No teste para o papel eu tinha furos nos jeans. Agora uso roupas realmente caras (risos).”

Thrones mudou a vida de muitos: a esperança é que ela siga mudando depois de 14 de abril.

Entrevista - Gwendoline Christie, a Brienne de 'GoT'

Há 8 anos, quando Gwendoline Christie ficou sabendo da vaga para interpretar Brienne de Tarth em Game of Thrones, ela realmente deu a vida pela personagem. “Era o papel que esperei por toda minha vida”, disse ela em Londres, na coletiva de imprensa da última temporada da série. Ela comentou como a personagem mudou a percepção de si mesma – e um pouco do que podemos esperar esse ano.

O que você pensou quando leu que Brienne não era uma princesa, nem uma prostituta, nem outro padrão de personagem mulher, mas uma guerreira?

Fiquei encantada. Eu perguntava aos agentes se existiam papéis que não eram nenhuma dessas coisas e as pessoas falavam “não”. Fiquei entusiasmada pela oportunidade de explorar esse tipo de personagem, capitalizar minha materialidade e descobrir algo por mim mesma. Havia um número inegável de semelhanças entre a personagem e eu, e isso foi assustador, mas foi tão emocionante porque sabia que essa oportunidade era raríssima. É difícil lutar por 10 horas seguidas. A beleza de Game of Thrones é que as lutas são narrativas, cada gesto conta uma história. É um potencial enorme. Foram meses de treinamentos físicos, fazer esportes, lutas de espadas. Mesmo cortar meu cabelo, foi algo gigante, porque era a máscara com que eu me escondia, que disfarça as imperfeições do meu rosto, que alterava a proporção do meu corpo. Ajudava a me feminilizar, e eu não seria criticada por isso. E isso foi tirado de mim. Foi uma grande evolução pessoal encontrar a força que existia apenas dentro de mim e não mais me esconder, e entender quem eu era. 

Há uma cena tocante de Arya (Maisie Williams) e Brienne na sétima temporada, com as duas treinando e indo até o limite de suas capacidades. Você acha representativo de como as mulheres são representadas na série?

A cena não era uma luta, era um teste dos limites das capacidades de cada uma. Amo que foi uma relação que nasceu do respeito mútuo. Brienne sempre sentiu uma proteção em relação a Sansa (Sophie Turner) e Arya, mas também existe a ideia de que essas duas mulheres que estão fora das normas da sociedade. É diferente fazer uma cena daquela. É um processo intelectual, mais do que físico e emocional. É na maior parte sobre descobrir uma a outra, e a emoção emerge daquilo. No fim você vê o respeito brilhar na face de Brienne, espero. É importante ver isso numa série de TV mainstream.

Brienne teve ligações viscerais com alguns personagens durante a série, e uma relação de humor com Tormund (Kristofer Hivju). Por quem ela pode se sentir atraída nesse ano?

Daenerys (Emilia Clarke). É para onde meus pensamentos vão. É uma mulher extraordinária que decidiu ser líder e exibiu coragem em suas convicções, isso é muito atraente.

E Tormund?

É louco, porque aquele momento (um olhar de Tormund para Brienne que virou sensação entre fãs) nunca esteve no roteiro. O que estava era “Tormund olha para Brienne”. Kristofer tinha ensaiado essa coisa por dias e no momento foi muito engraçado. Ele transforma o momento apenas com o olhar e basicamente rouba o foco de Brienne na cena (risos). Ele tem uma energia tão extraordinária que você também quer brincar. Foi natural responder de um jeito meio ríspido. Não podia acreditar que eles estavam permitindo aquilo. E aí a coisa se torna um meme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Análise: personagens sólidos tornam 'Game of Thrones' irresistível

Série é um grande e milionário negócio de abrangência mundial

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2019 | 03h00

O inverno chega em mais ou menos sete semanas e vai ser arrasador. O Rei da Noite e seu dragão zumbi querem a morte do herói Jon Snow e, de quebra, o controle dos Sete Reinos a partir de Winterfell. Não que eles tenham muito interesse nessa coisa de vida burguesa, castelos aquecidos, vinho e comida boa, gente bonita. O exército dos mortos-vivos vai encarar a resistência de uma força notável, única na saga de gelo e fogo do escritor preguiçoso George R.R. Martin – um respeitável senhor de 70 anos que iniciou a narrativa épica viciante há 25 anos e agora não consegue dar fim à trama. Não porque não saiba como. Ele escreve devagar, 15 páginas de cada vez, só as vezes. George está terminando -- há três anos sempre terminando --, o último volume, o sexto da série. Seus agentes dizem que talvez ainda haja espaço para um sétimo livro. Game of Thrones criou um modelo, é um grande e milionário negócio de abrangência mundial.

A inspiração inicial da trama é a Guerra das Rosas, conflito que durou 30 anos, de 1455 a 1485, na disputa pelo trono da Inglaterra e levou ao poder a Casa de Lancaster (os Lanister de GoT?) abrindo caminho para a dinastia Tudor. Acaba aí o tênue laço com a realidade. Não é possível acreditar que em algum momento do passado o mundo tenha sido dividido por uma gigantesca muralha congelada de 200 metros de altura, separando vivos e mortos, mais  certos tipos incomuns como gigantes, mamutes e selvagens parecidos com vikings. No meio disso, lobos do tamanho de tigres e, claro, os dragões, filhos da rainha Daenerys Targaryen. O segredo que faz dessa fantasia um prato irresistível é a solidez dos personagens: canalhas, heroicos, soberbos, mesquinhos, sensuais, dementes, geniais, fascinantes – é o povo das ruas, de quaisquer ruas.

Os autores e diretores David Benioff e D.B. Weiss fizeram uma aposta arriscada ao recriar com extremo cuidado batalhas medievais. Dedicaram o trabalho de grandes equipes por muito tempo na pesquisa de documentos, relatos, análises de tapeçarias, pinturas e mapas medievais. Deu certo. O resultado é espetacular como se viu naqueles momentos de tirar o fôlego das temporadas mais recentes. E vem mais. A Batalha de Winterfell da oitava temporada, demorou 55 dias para ser gravada. Algumas sequências são filmadas sem cortes, uma técnica difícil nas circunstâncias. O número de envolvidos nas cenas bateu na faixa dos milhares. Um só grupo de combatentes reuniu 750 figurantes. Claro, poderiam ter sido multiplicados por computação gráfica mas... que graça tem isso?

Enfim, é o fim. Há vários palpites rolando entre os seguidores de GoT. Um deles sustenta que a disputa pelo Trono de Ferro será uma guerra entre mulheres – Daenerys, Sansa, Cersey, Arya... Outro acredita na morte de personagens  populares, como Tyrion e Jaime Lannister ou mesmo Jon Snow, eventualmente as princesas, pavimentando alternativas inesperadas. Não importa. O que conta é que depois de oito anos, tudo mudou. Maisie Williams, atriz que interpreta Arya, tinha 11 anos quando a série estreou – hoje, tem 21. Lena Heasey, a rainha Cersey, tem 46. Havia completado 35 quando assinou o primeiro contrato com a HBO. De fato, o inverno está chegando. 

 

Veja aqui como e onde assistir à última temporada de GOT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Última temporada de 'Game of Thrones' ganha primeiro trailer

Novos episódios de 'GoT' estreiam no dia 14 de abril na HBO e no HBO GO

Redação, Ansa

05 de março de 2019 | 14h07

A HBO divulgou nesta terça-feira, 5, o trailer oficial da 8ª e última temporada da série Game of Thrones, que estreará no dia 14 de abril.

O vídeo de pouco menos de dois minutos mostra sobretudo os preparativos para a aguardada batalha contra o Exército dos Mortos do Rei da Noite.

A oitava temporada de GoT marcará o fim de uma espera de mais de um ano e meio, já que a sétima estreou em 16 de julho de 2017. 

Veja aqui como e onde assistir à última temporada de GOT

 

Tudo o que sabemos sobre:
Game of Thrones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Rei da Noite de 'Game of Thrones' tem alvo específico, diz ator

Vladimir Furdik diz que personagem obscuro busca vingança e que novo momento com Jon Snow o espera na última temporada da série

Redação, O Estado de S. Paulo

08 de março de 2019 | 09h02

O ator e dublê de Game of Thrones Vladimir Furdik disse, em rara entrevista, que o personagem que interpreta, o misterioso Rei da Noite, tem um alvo específico na série.

"As pessoas verão que ele tem um algo que quer matar, e vocês vão descobrir quem é. Também há aquele momento (em Hardhome) quando Jon Snow estava no bote e o Rei da Noite olha para ele e levanta os braços — há um momento similar e ainda mais forte entre os dois dessa vez", disse o ator para a Entertainment Weekly.

"Alguém o transformou no Rei da Noite. Ninguém sabe quem ele era antes — um soldado ou parte da nobreza. Ele nunca quis ser o Rei da Noite. Acho que ele procura vingança. Todo mundo nessa história tem dois lados, um bom e um ruim. O Rei da Noite tem apenas o lado mau."

A última temporada de Game of Thrones estreia na HBO e no HBO GO no dia 14 de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

'Game of Thrones': O que já se sabe da última temporada da série?

Elenco deu diversas declarações sobre os seis episódios que serão exibidos a partir de 14 de abril pela HBO

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2019 | 07h01

Game of Thrones chega à sua 8ª e última temporada no próximo dia 14 de abril. A série terá mais seis episódios.

A HBO já divulgou diversas imagens e cenas dos derradeiros momentos da trama, e boa parte do elenco, como Sophie Turner, Maisie Williams e Emilia Clarke falaram sobre o sentimento de despedida e detalhes sobre as últimas gravações.

Confira abaixo o que já se sabe sobre a última temporada de Game of Thrones.

Primeiras cenas da última temporada de Game of Thrones

Em 13 de novembro de 2018, a HBO definiu a data de estreia com um teaser: "Toda batalha, toda traição, toda aliança, todo risco, toda luta, todo sacrifício, todo juramento, toda morte... é tudo pelo trono".

Em 8 de dezembro de 2018, foi liberado mais um teaser da última temporada de Game of Thrones: uma estátua de lobo e outra de dragão são tomadas pelo gelo. A estátua de um leão é dominada pelo fogo. Na sequência, gelo e fogo se confrontam.

Em 13 de janeiro a HBO liberou outro teaser da última temporada de Game of Thrones, três meses antes da estreia.

Nele, os personagens Jon Snow (Kit Harington), Sansa Stark (Sophie Turner) e Arya Stark (Maisie Williams) aparecem andando nas Criptas de Winterfell, em um ambiente sombrio, e se deparam com antigas estátuas que se assemelham muito a eles próprios fisicamente.

Em 6 de janeiro, uma outra pequena cena foi revelada em uma prévia da HBO sobre suas séries em 2019. Sansa Stark afirma que Winterfell está à disposição em uma cena com Daenerys e Jon Snow.

Em 24 de fevereiro, a HBO divulgou uma nova cena da última temporada de Game of Thrones. Desta vez, quem aparece é Arya Stark.

 

Quem são os diretores da última temporada de Game of Thrones

A HBO anunciou que os episódios finais de Game of Thrones serão dirigidos por David Benioff e D. B. Weiss, David Nutter, que já esteve à frente de The Rains of Castamere, e Miguel Sapochnik, que dirigiu Battle of the Bastards

Os roteiristas serão David Benioff e D. B. Weiss, Bryan Cogman e Dave Hill. Já os produtores serão david Benioff, D. B. Weiss, Carolyn Strauss, Frank Doelger e Bernadette Caulfield. Os co-produtores serão Bryan Cogman, Guymon Casady, Vince Gerardis e George R. R. Martin.

 

Episódios finais de Game of Thrones 'serão como filmes' e custaram R$ 50 milhões 

Richard Pepler, presidente da HBO, afirmou à Variety que chegou a assistir os primeiros cortes dos últimos episódios de Game of Thrones, ainda sem os efeitos especiais.

"É espetacular. Os caras fizeram seis filmes. A reação que eu tive ao assisti-los foi 'estou assistindo a um filme'."

Além disso, cada um dos episódios teria custado cerca de 15 milhões de dólares (o equivalente a quase R$ 50 milhões, à época) para ser produzido, totalizando 90 milhões de dólares (quase R$ 300 milhões).

Comercial de Game of Thrones no Super Bowl 

Durante o intervalo da última edição do Super Bowl, Game of Thrones fez uma propaganda em conjunto com a marca de cervejas Budweiser. Nas redes sociais, muitos fãs da série se mostraram decepcionados com o comercial. Assista abaixo:

O que o elenco de Game of Thrones diz sobre a última temporada

Em conversa com o Estado, Maisie Williams, que dá vida a Arya Stark, e John Bradley, o Samwell Tarly, falaram sobre o fim de Game of Thrones quando participaram da Comic Con em São Paulo, na primeira vez em que estiveram na América do Sul.

 

"Nunca pensei 'meu Deus, acabou', porque quis evitar isso a todo custo. É muito pesado dar adeus à série. Sabia que a hora estava chegando, mas não me toquei por muito tempo", disse Maisie.

"Voltar para Winterfell foi incrível, era o foco dela durante toda série. [...] Nessa nova temporada ela tem objetivos completamente diferentes, que nunca teve antes", complementa.

Bradley falou sobre o sentimento de despedida: "No começo foi triste, tentei me concentrar nas filmagens, mas ao final já não conseguia ignorar. Foram oito anos da minha vida. Para Maisie Mais, quase uma década" 

“Descobrir o segredo [de que Jon Snow é o verdadeiro herdeiro dos Sete Reinos] veio num momento importante para Sam. Na sexta e na sétima temporadas, me senti de fora dos acontecimentos principais, não me sentia parte da história de Jon Snow ou de Daenerys. [...] Receber essa informação, crucial para a série inteira, foi uma indicação de que Sam é importante, e vai ser mais ainda", prosseguiu.

Em entrevista ao Variety Studio, Lena Hadley (Cersei Lannister) contou: "Meu último dia no set foi muito estranhamente tedioso, porque tive que gravar subindo e descendo algumas escadas - e foi isso".

Sophie Turner (Sansa Stark) deu um indício do que os fãs devem esperar em entrevista ao Gold Derby: "É Game of Thrones, então será mais sangrento e teremos mais mortes e mais tortura emocional do que nos anos anteriores."

"É realmente muito imprevisível a forma como [a série] acaba. Eu estou satisfeita com o quão imprevisível o fim do programa é", contou Sophie ao Digital Spy.

À Vanity Fair, Emilia Clarke (Daenerys Targaryen) falou sobre a gravação de suas últimas cenas: "Me deixou f***. Saber que esse será o último gosto que as pessoas terão do que Daenerys é..."

Maisie Williams (Arya Stark), também deu detalhes sobre sua última cena ao The Guardian: "Eu terminei com a cena perfeita. Eu estava sozinha."

Os criadores da série, David Benioff e D. B. Weiss, também falaram sobre a última temporada. 

"No último dia, Weiss e eu dirigimos o episódio final. Havia um cenário de ruínas e destruição. Nós dois tiramos uma foto sozinhos, porque foi assim que começamos na série", disse David Benioff.

D. B. Weiss, por sua vez, afirmou: "Vamos nos ver bastante no futuro, mas não vamos mais fazer isso. Então foi triste. [...] Mas não poderíamos fazer a série para sempre, se não ela deixaria de ser o que é. Foi um sentimento estranho."

Os fãs devem esperar muitas mortes na última temporada de Game of Thrones. Ao menos é o que indica Francesca Orsi, vice-presidente da HBO.

"Ninguém do elenco havia recebido os roteiros anteriormente, e, um por um, eles começaram a chorar pelas mortes. Ao fim, nas últimas palavras do roteiro final, as lágrimas apenas começaram a ser derramadas. Então houve aplausos que duraram 15 minutos."

Briga entre atores de Game of Thrones por causa de spoilers

Em uma entrevista à rádio britânica Kiss FM, Kit Harington (Jon Snow) revelou que contou um spoiler sobre o fim da série à sua mulher, Rose Leslie, que também foi atriz de Game of Thrones, interpretando Ygritte, mas já saiu da série, gerou uma briga entre o casal. 

"Ela não falou comigo por cerca de três dias. [...] E ela pediu [o spoiler]", garantiu Kit. 

Anteriormente, Rose já havia contado que faz de tudo para não receber spoilers do marido: "Eu peço para o Kit não me esboçar nenhuma reação para mim depois de ele ler um episódio, porque eu não quero 'ler' nada nos olhos dele"

Questionado sobre sua opinião acerca do fim de Game of Thrones, Harington afirmou: "Eu não posso responder, de fato, se estou feliz ou não. Não acho que seja sobre feliz ou triste, na verdade. Estou satisfeito com o que eles fizeram, mas não sei se ficarei realmente satisfeito até assistir."

Elenco soube aproveitar Game of Thrones

O elenco de Game of Thrones está repleto de nomes conhecidos da dramaturgia: Jason Momoa, Emilia Clarke, Sophie Turner, Kit Harington, Maisie Williams, Natalie Dormer, Lena Headey, Peter Dinklage, entre outros. 

Diversos deles souberam aproveitar a série para impulsionar as suas carreiras - mesmo que já tivessem um bom currículo anteriormente. Relembre alguns abaixo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.