Kelly Fuzaro/Divulgação
Kelly Fuzaro/Divulgação

Gaby Amarantos medeia troca de farpas feminina em novo programa

No comando do ‘Troca de Estilos’, cantora diz ter lidado com brigas alheias quando trabalhou com telemarketing

João Fernando, O Estado de S. Paulo

07 Março 2015 | 16h00

Gaby Amarantos foi contratada para ajudar os outros a mudar o visual e acabou transformada. Em vez de roupas que acendem luz e penas na cabeça, a musa do tecnobrega, será vista em tom mais sóbrio no Troca de Estilos, que estreia quarta, 11, às 23h10, no Discovery Home&Health. “Brinquei de boneca comigo mesma. Os figurinos estão mostrando uma Gaby diferente, mais sofisticada, mas com meus toques. Não estou deixando de ser eu mesma.”

Produzido pela Zola, o programa mostra, a cada edição, duas mulheres – amigas, irmãs ou mãe e filha – que não aguentam mais o estilo da outra. Nos primeiros minutos, elas riscam com uma caneta uma foto em tamanho real de seu par e marcam o que querem mudar. Enquanto isso, as consultoras de moda Paula Martins, Chris Francini e o maquiador Sadi Consati avaliam as opiniões das participantes e dão seu crivo. Ao final, as mulheres, vestindo apenas um hobby, pegam as roupas de suas opositoras e jogam na lixeira.


Quem fica no meio do fogo cruzado é Gaby, que estreia como apresentadora. “Como as pessoas têm sempre uma relação íntima, aproveitam para colocar para fora coisas da vida. Lá elas podem extravasar”, analisa a cantora, que tem de fazer as vezes de psicóloga das participantes. “Tive de me preparar para lidar com pessoas, o comportamento, a autoestima. Houve acessos de riso, pessoas que gritaram. Tenho de conter para que a coisa não passe dos limites e não fique algo pesado. A gente sabe como é gostoso vê-las brigar”, admite.

A paraense conta ter aprendido a segurar a onda alheia quando foi atendente de telemarketing. “Atendia pessoas para marcação de consultas. Quando acabavam (os horários), começavam os barracos. Foram dois anos no telefone, depois, atendimento ao público. Levei bolsada, contive muitos barracos”, contou ao Estado, no intervalo da gravação, em uma casa no Alto de Pinheiros.

Assim que a troca de farpas acaba, as participantes passam por uma transformação pelas mãos dos consultores. Segundo a apresentadora, até ela fica espantada com o novo visual. “Havia uma senhora de quase 60 que queria parecer a Tina Turner. Ela me deixou sem reação e fiquei assim”, relembra, mostrando o queixo caído. O estilos das duplas do programa não costumam se repetir. A paraense revela que houve uma que se identificou como bruxa. “Não fiquei com medo, mas a gente sentiu uma energia diferente. Não tinha ideia de que bruxa era tão fofa.”

Gaby também passou por uma transformação quando esteve no Medida Certa, no Fantástico. “As pessoas quando me veem, levam sustos e dizem: ‘Nossa, você não é gorda’. Falam assim mesmo”, conta. A cantora afirma se orgulhar de não ter um padrão de modelo. “Eu não me enquadro nos padrões. Continuo sendo robusta e voluptuosa”, acrescenta.

Mais conteúdo sobre:
Televisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.