Gabriel Leone é uma das apostas da Globo na renovação de seu time de atores

Gabriel Leone é uma das apostas da Globo na renovação de seu time de atores

No ar na supersérie 'Os Dias Eram Assim', o ator fala sobre carreira, a perda do amigo Domingos Montagner e sua preparação para viver Roberto Carlos no cinema

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

20 Agosto 2017 | 06h00

Assim como outros jovens atores, Gabriel Leone encontrou em Malhação sua porta de entrada para a Globo. Fez testes e foi escalado para interpretar o vilão Antônio na temporada 2013/2014. Mas, ao contrário de muitos talentos que não emplacam outro trabalho na casa depois de passar pela novela juvenil, Gabriel conquistou na sequência um papel importante na premiada Verdades Secretas, de Walcyr Carrasco, em 2015. Ele viveu Guilherme, apaixonado pela modelo Angel (Camila Queiroz), que vira garota de programa e é pivô de conflitos – e tragédias – dentro da trama. Da novela das 11, ele entrou para o elenco da novela das 9, Velho Chico, de Benedito Ruy Barbosa e Edmara Barbosa, no ano passado, e, após o fim do folhetim, praticamente emendou com a supersérie Os Dias Eram Assim, exibida na faixa das 23h. 

Hoje com 24 anos, Gabriel faz parte de uma nova linha de frente de atores/galãs que a Globo está formando e escalando para papéis de fôlego. Sem mexer, claro, com os veteranos que são prata da casa, a emissora faz uma renovação natural de elenco – e também de novelistas. Entre os atores, além de Gabriel Leone, estão nomes como Johnny Massaro, Renato Góes e Chay Suede (veja mais abaixo). 

Em Os Dias Eram Assim, o ator carioca interpreta o idealista Gustavo, e divide cenas com Renato Góes, que vive seu irmão, Renato, e com a namorada Carla Salle, que faz sua irmã Maria. Gustavo entra na reta final de trama com revelações e decisões a serem tomadas. Ao mesmo tempo que descobre que será pai do filho de Rimena (Maria Casadevall), mulher de seu irmão, ele finalmente encontra um foco na vida graças à música.

No próprio dia a dia, Gabriel conta que é movido a música, o que contribuiu para a construção do papel. A começar pela escolha de seu nome pelos pais, fãs de Beto Guedes e que se inspiraram na música Gabriel, do disco Amor de Índio (1978) para batizar o filho. “Cresci escutando MPB, rock e tudo mais, e isso aflorou para mim mais ou menos quando eu tinha uns 15 anos. Comecei a fazer teatro, e montei uma banda também, era uma banda de escola, mas tocamos juntos 3, 4 anos.” 

O caminho de todos os integrantes tomou outro rumo profissional, mas o que poderia ter virado um hobby na vida de Gabriel se tornou parte de seu trabalho. “Fui estudar canto, porque comecei a participar de audições para alguns musicais. Passei um bom tempo fazendo musicais, antes de começar a fazer TV.” 

Esses espetáculos continuaram no seu radar depois da fama: fez Chacrinha, o Musical, de 2014, e fez participação especial como Fiyero, um dos personagens principais, em Wicked, em outubro do ano passado. Na época, Velho Chico já tinha chegado ao fim e Gabriel ainda não tinha mergulhado em Os Dias Eram Assim. Por isso, conseguiu encaixar essa participação. 

O ator tinha acabado de se despedir de uma novela lírica que se tornou trágica por causa da morte de Domingos Montagner. Domingos fazia Santo, o pai de Miguel, vivido por Gabriel. Ele lembra que, após o impacto da perda do amigo, chegou-se a pensar em parar. “Só que surgiu a ideia de continuar. Mas a única forma que a gente teria de continuar, que a gente toparia continuar seria sem dar um jeito na história, que era ou o personagem viajar ou morrer na trama também. A ideia que a gente teve era com a presença dele, do personagem dele ali na história.” 

O apoio da família de Domingos para eles continuarem também os fortaleceu. “Por mais dolorido que fosse para a gente gravar contracenando com aquela câmera – no caso, contracenando com ele – e para o público de assistir, foi fundamental para todos nós que estávamos ali envolvidos no processo. Foi muito importante manter a convivência naquele momento, sabe? Talvez, se a gente tivesse rompido ali a novela e cada um ido para seu canto, pudesse ficar um trauma, uma coisa mal resolvida.”

Rei Roberto. Os Dias Eram Assim chega ao fim em setembro, e será que o mistério ‘Quem matou Arnaldo (Antônio Calloni)?’ será solucionado? “Esse é outro fio desencampado. A gente não sabe se vai vir à tona isso e, se vir à tona, para que lado a coisa vai acontecer”, garante Gabriel. Depois desse trabalho, ele já parte para outra, a série Onde Nascem os Fortes, dirigida por José Luiz Villamarim. “Vou voltar para o sertão”, diz. Na telona, ele poderá ser visto em breve em dois filmes: Piedade, de Cláudio Assis, que tem ainda no elenco nomes como Cauã Reymond e Fernanda Montenegro; e Minha Fama de Mau, cinebiografia sobre a vida de Erasmo Carlos. Chay Suede será Erasmo e Gabriel, Roberto Carlos. 

É a segunda vez que o jovem ator interpreta o Rei. A primeira foi no musical sobre Chacrinha. E, nas duas vezes, Gabriel recebeu o aval do próprio Roberto. No musical, a participação era menor, num número em que ele cantava Detalhes e Emoções, e tinha um texto pequeno. “Era uma cena muito rápida, era uma construção através da voz, do corpo, de algum código que a plateia ou se emocionasse ou risse. No filme, não: é uma biografia sobre o Erasmo, mas, como o Roberto o conheceu muito novo, e eles até hoje não se desgrudaram, o Roberto acaba permeando o filme todo”, compara.

“A gente fez um trabalho de esmiuçar não só as questões físicas do Roberto, da voz, mas também da personalidade. E a ideia do filme era a de fugir da imitação, e de a gente construir os nossos personagens”, complementa Gabriel, que recorreu a livros, vídeos e discos para ajudar nessa imersão. 

Já o teatro, que ele começou a fazer ainda na adolescência, deve ficar só para o ano que vem. “Está difícil de conciliar, mas depois da série do Zé (Villamarim), volto ao teatro. Sempre que posso, tento, de alguma forma, estar no palco. Sinto muita falta.” 


OUTRAS APOSTAS:

Chay Suede

O ator de 25 anos ficou conhecido no reality Ídolos e fez a novela Rebelde, na Record. Em 2014, foi para Globo, onde fez Zé Alfredo na 1ª fase de Império. Está no ar em Novo Mundo, na qual é protagonista (foto).


Renato Góes

Aos 30 anos, atualmente divide a cena com Gabriel Leone em Os Dias Eram Assim (foto). Já tinha feito outros trabalhos na TV, mas se destacou no papel de Santo na 1ª fase de Velho Chico.


Johnny Massaro

O ator de 25 anos iniciou carreira na Band, em Floribella. Já na Globo, viveu o jovem Agostinho em A Grande Família. Ganhou destaque em produções como A Regra do Jogo, e estará na série Filhos da Pátria (foto).


 

Mais conteúdo sobre:
Gabriel Leone

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.