'Fiz ótimos pais na ficção'

Quando a enquete é sobre melhor programa do ano, lá está A Grande Família no topo. De melhor seriado? Barbada. De melhor humorístico? Vitória certa. Em nossa enquete de paizão da TV não seria diferente, deu Lineu na cabeça. Com a palavra, o melhor pai da teledramaturgia: Marco Nanini.Por que as pessoas querem ter um pai como o Lineu?Tenho impressão de que as pessoas gostam tanto dele porque o Lineu é muito sincero, o que facilita a comunicação com os filhos e com o público. Ele também faz de tudo para manter aquele núcleo familiar, o que é difícil sendo um homem pobre, mais é uma grande qualidade naquela singela família. E ele também é cheio de boas intenções, que nem sempre dão certo (risos), mas que são boas, são. Mas como todo pai, o Lineu também tem defeitos...Claro que sim. Ele é ranzinza e teimoso. Mas isso é que é o bacana. Esses personagens são tão bem fundamentados, têm uma base tão boa, que se sustentam até hoje.Vocês estão há oito anos juntos. Não se cansam uns dos outros?(Risos) Como uma família, também enfrentamos o desgaste, lutamos contra a rotina. Agora, por exemplo, estamos em férias. Precisamos desse tempo para descansar dessa convivência massiva, tocar outros projetos. Mas ao mesmo tempo é tão agradável, existe tanta confiança e admiração entre nós, que torna tudo adorável.Mas não pensa em um dia se divorciar dessa família maluca?Ah, sabemos que isso um dia vai acontecer, mas não gosto de pensar não. Somos tão felizes!Então você não quer mais fazer novela?Não é isso. Não tenho nada contra, fiz novelas ótimas, mas acredito que quando você tem um ótimo ambiente de trabalho, 70% já está resolvido. E na Grande Família é assim.Além de ser eleito um bom pai como Lineu, seu personagem em Andando nas Nuvens, Otávio, também foi bem votado em nossa enquete...Que coisa engraçada isso, não sou pai na vida real, mas fiz bons pais na ficção. Estou feliz que o Lineu tenha vencido. Ele é ótimo, não me atrapalha em nada na vida (risos).Mas resolvemos não colocar mais 'A Grande Família' nas enquetes do TV & Lazer porque vocês ganham todas...Não, não faça isso (risos). Adoramos ganhar, é compensador. Trabalhamos duro, gravamos três vezes por semana. Agora, então, com HD, complicou um pouco...Por quê?Ficou um pouco mais demorado, até a técnica se acostumar com a nova tecnologia demanda tempo. O diretor também tem mais cuidado com os enquadramentos por causa das laterais dos cenários que aparecem em HD... E tem todo o cuidado com essas câmeras novas que são tratadas como bebês... (risos) Sensíveis, temperamentais, qualquer coisa estressa (risos). Quando chegamos no estúdio logo vamos perguntar se a câmera passou a noite bem, se está se sentindo melhor (risos)... Aí, sim, começamos a gravar.

O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2008 | 23h20

Tudo o que sabemos sobre:
dia dos paispais na ficção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.