Divulgação
Divulgação

"Filhos" está mais visceral; é de pirar o cabeção

Thogun fala sobre a segunda parte de 'Filhos do Carnaval', de Cao Hamburger, na HBO

Etienne Jacintho, O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2009 | 16h00

.

Quase quatro anos depois de estrear Filhos do Carnaval, a HBO e a O2 trazem o desfecho da 1ª temporada, com sete novos episódios, a partir do dia 4 de outubro. Com a safra, a série completa 13 capítulos. Nesse intervalo, os criadores da série, Cao Hamburger e Elena Soares, tiveram de reescrever o roteiro por causa da morte de Jece Valadão, o protagonista Anésio Gebara, chefão do bicho. Agora, a série volta com os negócios do velho Gebara divididos entre os três filhos: Claudinho (Enrique Diaz) e os ilegítimos Brown (Rodrigo dos Santos) e Nilo (Thogun).

 

"Cláudio assume os irmãos ilegítimos e os reúne para tocarem os negócios do pai", conta Thogun. "Claudinho, que não é bobo, fica com as maquininhas de caça-níqueis; Nilo fica com o bicho." A série, que teve, em sua primeira parte, uma pitada de Família Soprano, abordará os conflitos familiares sem o poderoso chefão. "Eles brigam, sofrem, mas não deixam de ser uma família."

 

DE BASTARDO A CHEFÃO

Nos primeiros episódios, Anésio Gebara prepara seus filhos Anesinho (Felipe Camargo) e Claudinho para assumirem os negócios e deixa os ilegítimos Brown e Nilo de canto. Quem narra a história da família é justamente Nilo, uma espécie de guarda-costas de Gebara. Quando Anesinho morre, o velho Gebara começa a repensar suas atitudes. Nesta segunda parte, Nilo continua como narrador e ganha importância na trama. "Nilo agora passa a ter poder sobre a própria vida", fala Thogun, feliz com os rumos da história. "Está mais visceral. Você vai pirar o cabeção e há a possibilidade de algo novo para o personagem, que foi meu primeiro trabalho como ator."

 

Thogun foi chamado para o papel de Nilo quando Cao viu Fala Tu, documentário sobre rap. "Foi uma sorte. Quando fui fazer o teste havia uns 20 Thoguns na sala", lembra o ator. "Nunca entendi como arrumam tanta gente com o mesmo perfil..."

 

Com Filhos do Carnaval, a carreira de Thogun como ator deslanchou e ele se mudou do Rio para São Paulo, para estudar cinema, direção e roteiro. "São três anos felizes, em uma profissão que é difícil", diz o ator, que perdeu 5 quilos e agora quer perder mais 20. "Quero sair desse perfil. O difícil é que, em São Paulo, todos os programas envolvem comida. No Rio é a praia; em São Paulo é a comida. Entendi esse tal de happy hour depois de tempos. Lá no Rio, a gente sai do trabalho e cai na água."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.