Filhas de Obama podem participar de Hannah Montana

Segundo Bill Ray Cyrus, pai da atriz e da personagem, Malia e Sasha poderiam aparecer em abril do ano que vem

Efe,

11 de novembro de 2008 | 03h31

Malia e Sasha Obama, as filhas do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, foram convidadas a participar de um episódio da série juvenil "Hannah Montana", que tem como protagonista a atriz Miley Cyrus. Ex-embaixador Rubens Barbosa fala sobre os EUA de Obama De George Washington a Barack Obama, veja perfil de todos os presidentes  Quem são os eleitores de Obama   Trajetória de Obama  Cobertura completa das eleições nos EUA Bill Ray Cyrus, pai da atriz e que também aparece na série, disse nesta segunda-feira, 10, ao programa Access Hollywood que "Hannah" poderia receber uma visita de Malia, 10 anos, e Sasha, 8, provavelmente em abril do ano que vem. Assim, as filhas de Obama se transformariam no objeto de inveja de muitos meninos e meninas adolescentes que acompanham a série no Disney Channel. "Elas provavelmente virão. O convite já foi feito", explicou Bill, acrescentando que o filme da jovem artista "Hannah Montana" estreará em abril. Na série, Miley Cyrus encarna uma jovem estudante que leva uma vida secreta como estrela da música sob o pseudônimo de "Hannah Montana". Billy Ray Cyrus, seu pai na vida real, também desempenha o papel de pai na ficção. Miley Cyrus, 15, se transformou em uma das mais jovens celebridades de Hollywood por causa da série, sobre a qual foi criado um dos grandes impérios atuais de marketing. A jovem, que completará este mês 16 anos, disse que não sabe se o convite foi enviado oficialmente às filhas do futuro presidente, mas assegurou que a possível aparição de Malia e Sasha Obama em sua série "seria uma coisa estupenda". "Elas poderiam ver o que fazemos e nós poderíamos escutar o que elas fazem", acrescentou. Em relação ao papel que as filhas de Obama poderiam interpretar, Miley acredita que poderiam simplesmente participar e serem "meninas normais". "Isso seria divertido para elas", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.