Estadão
Estadão

Fábio Porchat e Marcelo Tas se reúnem para discutir o futuro da televisão

Humoristas participam de debate promovido pelo ‘Estado’ e Livraria Cultura, na sexta-feira, dia 11, no Conjunto Nacional, às 16h

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

07 de setembro de 2015 | 16h07

No próximo dia 18 de setembro, a televisão brasileira completa 65 anos, sem grandes motivos para festa – com índices de audiências cada vez mais diminutos, é o momento de se discutir o futuro da TV em meio a um avanço tecnológico cada vez mais dinâmico. Para isso, o Estado e a Livraria Cultura promovem na sexta-feira, dia 11, às 16 horas, um debate sobre os rumos da telinha e suas perspectivas de futuro. O encontro vai reunir o humorista Fabio Porchat, cronista do jornal, e o jornalista e apresentador Marcelo Tas, que comandou a bancada do CQC e, nos anos 1980, criou o repórter Ernesto Varela, jornalista fictício que perguntava aquilo que todos gostariam de saber, mas ninguém tinha coragem de perguntar.

O encontro vai acontecer no Teatro Eva Herz, localizado no Conjunto Nacional (Avenida Paulista, 2073). Os ingressos serão gratuitos e poderão ser retirados no próprio dia 11, a partir das 9 h, na bilheteria do teatro. Mais informações pelo telefone (11) 3170-4059.

Além do bom humor, Porchat e Tas se unem por terem participado de momentos decisivos da veiculação da cultura pelos novos meios tecnológicos.

Porchat é um dos criadores do Porta dos Fundos, o mais bem sucedido site de humor do País. Criado em 2012, o Porta nasceu como resposta à recusa que Porchat e outros humoristas recebiam das emissoras de TV tradicional. “Resolvemos fazer na internet que era onde podíamos ter gerência do nosso ‘projeto’. Podíamos falar o que quiséssemos do jeito que nós bem entendêssemos. Dois anos após o lançamento, o Porta bateu a marca de mais de um bilhão de espectadores pelo Brasil e pelo mundo”, lembrou ele, em uma de suas crônicas.

Já Marcelo Tas, que participou de diversos programas por vários canais abertos e fechados, defende que a revolução está na possibilidade de o público poder consumir TV em qualquer tela, em qualquer hora e em qualquer lugar. O debate será mediado pela colunista do Estado Cristina Padiglione.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.