Netflix
Netflix

Extrema direita é maior vilã de 'Marseille 2'

Na 2ª temporada, série aborda temas sensíveis da agenda europeia, como terrorismo, imigração ilegal e racismo

Pedro Venceslau, Impresso

01 Março 2018 | 18h54

Dez meses depois da conservadora Marine Le Pen conquistar o melhor resultado eleitoral da história dos nacionalistas no segundo turno da disputa pelo Palácio do Eliseu, a extrema direita francesa é apresentada como a grande vilã da segunda temporada de Marseille.

+++ O dia em que Marseille superou Washington

Criada por Dan Franck e dirigida por Florent Emilio-Siri, a série voltou sem alarde no último dia 23 para o cardápio da Netflix. O roteiro apresenta o fictício Partido Francês, uma clara referência à Frente Nacional derrotada por Emmanuel Macron no segundo turno, como a encarnação do que pode existir de pior na política.

+++ Filho de Escobar diz ter mais direito de lucrar com o pai do que a Netflix

Cinismo, oportunismo, corrupção, associação criminosa, tráfico de drogas, ódio, violência e bandeiras xenófobas acompanham a ascensão por caminhos tortos da legenda após a queda do carismático político Robert Taro (Gérard Depardieu), que, por 25 anos, foi o prefeito de Marselha.

+++ Netflix divulga novo trailer de 'O Mecanismo', série sobre a Operação Lava Jato

Com um roteiro mais denso do que o da primeira temporada, a série, um drama político, toma lado ao abordar temas sensíveis da agenda europeia, como terrorismo, imigração ilegal e racismo.

+++ Canal Curta! exibe documentário sobre Paulo Autran

O grande ponto de encontro de Marseille 2, porém, é o futebol. Em uma das cenas mais bonitas, Taro tenta convencer o dono do time que leva o nome da cidade a não vender o clube, que está endividado, para um grupo de investidores.

Em um dia de clássico no gramado, Taro leva o jovem executivo, que é descendente de libaneses, para caminhar entre a torcida no mitológico estádio do Olympique de Marseille, o mais antigo da França.

Marseille é uma mistura. Tem pessoas que só se cruzam no estádio. No resto do tempo, elas vivem em mundos completamente diferentes. Operários, empresários, bancários, ricos, pobres, negros, brancos. Eles só concordam em uma coisa: o time de futebol. Sem ele a cidade pode explodir. Seu pai, que veio do outro lado do Mediterrâneo, entendeu isso”.

Mas nem só de política é feita Marseille 2. Os ingredientes de (boa) novela que marcaram a temporada inicial continuam presentes, mas como menos açúcar. A belíssima cidade portuária segue no papel principal, ao lado do gigante Depardieu. No elenco também estão Benoît Magimel, Géraldine Pailhas, Nadia Farès e Stéphane Caillard.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.