'Eu sou uma moleca'

Dona de imagem clássica no métier da moda, top se permite brincar como apresentadora da MTV

Cristina Padiglione, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2008 | 23h46

Difícil não notar uma mulher de 1,81 m de altura bem ao seu lado, mas não é que a top Caroline Ribeiro, discretíssima que é, pode até passar despercebida nas condições normais de temperatura e pressão, assim no meio da rua? Mais nova modelo a merecer aposta da MTV como apresentadora, Carol (perdão pela intimidade) chega para nossa entrevista de cara lavada, como se diz. Dispensa o make up demandado por essas passarelas e flashes que lhe rendem cachês de até US$ 6 milhões. Nos pés, sandalinha romana, tipo Gladiador. Fusô e camisetinha preta, com camisa branca, completam a despretensão do lay out. Só para fazer as fotos é que ela consulta sua agente, Analu: "Será que é melhor colocar um saltinho?" Pronto, calça o saltinho só para bancar uma postura na foto. Moradora de Nova York desde o início do ano, Carol, casada desde os 16 anos com Paulo, com quem tem um filho de 4, o João Felipe, pega a ponte aérea NY-SP uma vez por mês para gravar A Fila Anda, um Namoro na TV bem repaginado pela MTV Brasil. Eis o que ela nos conta sobre:Fazer TV"É minha primeira experiência na TV. Fiz o especial de verão, aqui na MTV, e na época fiz um teste para A Fila Anda. Já tinham se passado uns 20 dias, e eu até já achava que não tinha dado em nada, quando me chamaram. E eu tinha acabado de decidir que ia morar em Nova York, mas a gente acertou que era possível vir para cá uma vez por mês e gravar quatro programas de uma vez."Maturidade X teen"Saí de casa aos 16 anos, casei aos 16 - vai fazer 12 anos e está dando muito certo. Mas essa fase de zoar eu perdi muito cedo, e eles (candidatos que participam de ?A Fila Anda?) estão me trazendo de volta, estão fazendo eu brincar um pouco.Sou uma moleca, mas no trabalho de moda sempre fui mais séria. Minhas primas, de 18, 19 anos, dizem que nem sabiam que eu era assim. No universo da moda, sou conhecida por uma imagem mais clássica. Não é (que eu encarne) uma personagem. Foi a maneira que eu encontrei de me fazer respeitar."Consumo"Estou menos impulsiva. Não consigo mais ver uma bolsa da Prada de US$ 5 mil e comprar. Não tem por que pagar, ainda mais sabendo que aquilo já não será usado na próxima estação. E não sou de seguir moda, tendências, nada disso."A verdadeira idade"Tenho 28 anos e tenho isso mesmo. Tem gente que tinha a minha idade um tempo atrás e agora anuncia menos. Mas acho que a história de ser modelo não tem nada a ver com idade, tem a ver com a imagem que você cria."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.