Estômago mostra o ciúme devorador

Filmes em que a culinária exerce importância fundamental na trama não são incomuns no cinema. Basta lembrar de A Festa de Babette ou dos clássicos O Jantar e A Comilança. No Brasil, um exemplo recente é Estômago, de Marcos Jorge, lançado para venda pela Europa.

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2009 | 22h39

João Miguel interpreta Raimundo Nonato, um retirante nordestino que deixa sua terra natal, o Piauí, para tentar a vida em São Paulo. O espectador começa a desconfiar de que algo vai dar errado porque a história é contada em dois tempos: um mostra sua chegada e adaptação à cidade grande e outro, que se supõe no futuro, sua vida como prisioneiro.

De fato, Nonato é habilidoso na cozinha, o que lhe garante bom emprego em um botequim, onde conhece uma mulher. Seus pratos acabam levando-o para uma cantina, onde sua vida vai mudar graças a um crime. A habilidade de Marcos Jorge está em mostrar a crueldade da sociedade, que se divide entre os que devoram e os que são devorados.

O DVD traz um farto material extra, com destaque para um making of ironicamente chamado de endoscopia: além de entrevistas com elenco, traz uma conversa com uma chef de cozinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.