Esqueça o cafezinho

O Aprendiz 6, que estreia na quinta-feira, contrata estagiário com salário de patrão

Keila Jimenez, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2009 | 22h21

Pegar cafezinho, tirar xerox, ser ignorado até pela tiazinha da limpeza... Ah! Tudo isso, por um vale ?x-miséria? no restaurante da firma, a única diferença entre os estagiários e os escravos. Opa, a única não. A diferença mesmo é que os segundos foram libertados. Tá, vida de estagiário não é fácil. Bom, não era. Por R$ 10 mil mensais e mais R$ 1 milhão na conta, quem não faria cafezinho para Roberto Justus? Fala sério, muita gente plantaria, torraria, moeria e até esfriaria o café dele.

Não é a toa que o Aprendiz da vez, que estreia na próxima quinta-feira, às 22h45, na Record, recebeu 112 mil inscritos. Sonho de qualquer RH - o homem que demite sem burocracia e sem termos no gerúndio que isso implica - Roberto Justus quer agora um estagiário de luxo.

"Os jovens gostam do programa, estava na hora de fazer algo para eles", diz Justus.

Batizado de O Aprendiz- Universitário, a sexta edição do reality recebeu inscrições de estudantes de todo o País. Os selecionados, 10 mulheres e 8 homens, são, em sua maioria, universitários do 2º ano, que não trabalham e cursam áreas ligadas à Comunicação.

"Temos gente de Direito e Administração, mas não dava para pegar alguém de Biologia. Não tem nada ver com o meu negócio", explica Justus. Ah, o prêmio da vez é um estágio, de pelo menos 1 ano, em uma das agências do Grupo Newcomm.

"Acho que esta edição será a mais divertida, pois os jovens são mais tempestuosos", fala Justus. "Muitos deles confessaram na entrevista que iam dizer umas verdades para mim", completa o empresário, rindo.

Foi Justus que ligou para os aprendizes da vez para dar a notícia da seleção. "Acharam que era trote", conta ele.

Confinados no Hotel Sheraton, em São Paulo, os participantes ganharam mordomias personalizadas. Fliperamas, mesa de sinuca até uma juke-box decoram a sala de convivências deles.

As provas continuam bem patrocinadas, e os prêmios incluem viagens. Em uma das etapas, os participantes tiveram de criar um quiosque de praia que vendesse receitas com uma marca de salgadinhos. A equipe com a melhor ideia, organização e promoção do quiosque venceu a prova.

E o cafezinho? Esquece. O contratado terá um R$ 1 milhão na conta, R$ 10 mil de salário e máquina de espresso italiano no corredor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.