Nadja Kouchi/TV Culura
Nadja Kouchi/TV Culura

Especial 'Auto do Brasil' homenageia Aldir Blanc

TV Cultura exibe nesta quinta, 23, às 22h, o espetáculo que une música e dança com 15 canções do compositor

Eliana Silva de Souza, O Estado de S. Paulo

23 de dezembro de 2021 | 05h00

Um dos expoentes da música brasileira, o compositor Aldir Blanc morreu aos 73 anos em 4 de maio de 2020, vítima da covid-19. Para homenageá-lo, a TV Cultura leva ao ar nesta quinta, 23, às 22h, o especial Auto do Brasil, em uma mistura de dança e música. O espetáculo usa 15 canções do disco Tiro de Misericórdia, de Aldir, sendo 14 delas em parceria com João Bosco, para contar a história de um menino negro, desde sua infância até a idade adulta, e as lutas que precisa empreender em um mundo de injustiças e racismo. Compõem ainda o espetáculo, imagens cedidas pelo fotógrafo Sebastião Salgado e obras de Cândido Portinari. Além da voz de Elis Regina entoando as canções.

“Comecei a pesquisar a obra do Aldir e do João Bosco e descobri o disco Tiro de Misericórdia, de 1977. Claramente, tinha uma história ali”, explica Carlito Camargo, vice-presidente da TV Cultura e idealizador do projeto. Ao lado de Marcio Macena, que assina a direção cênica, ele criou o roteiro do espetáculo a partir do disco, que tem início com a canção Gênesis e encerra com a que dá título ao álbum. Seu olhar para a obra revelou a atualidade da obra do compositor. 

“Eu debati isso com o Ismael Ivo, que na época estava comigo, e a gente começou a imaginar como seria”, diz Carlito sobre a parceria com o coreógrafo, que morreu em 8 de abril passado por complicações da covid. “O nome Auto veio da cabeça do próprio Ismael, não passou pela minha, e ele falou: ‘é um Auto, a pessoa nasce e morre’. Foi quando começamos a trabalhar juntos e Ismael apresentou a clássica questão: conta a vida dele. E aí foi um trabalho de começar a achar as músicas que montassem uma sequência para contar essa história.” 

Responsável pela coreografia do Auto, a baiana Tainara Cerqueira coloca sua visão sobre a importância do espetáculo. “Como diz Nina Simone, o objetivo da arte é fazer a gente refletir os tempos”, afirma a bailarina. Para ela, “com certeza, a coreografia, o espetáculo, o conjunto, figurino, música, dança, teatro, televisão, tudo isso, a gente usa dessas ferramentas para trazer uma reflexão ao público”.

Diretora do Auto do Brasil junto com Alberto Pereira Jr. e Joyme Nakayama, Adriana Couto reafirma a força da obra de Aldir Blanc. “Trata-se de um artista que olhou para o Brasil e enxergou a grandeza do povo, a luta do povo, enxergou a ancestralidade negra, a importância da ancestralidade negra para a formação da nossa cultura.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.