Era uma vez Jack Bauer na África...

Quem não se emocionou ao ver as criancinhas africanas atravessando os portões da embaixada americana em Sengala, escoltadas por um Jack Bauer desesperado? 24 Horas: A Redenção pode não ser cinemão, mas, para os fãs, é um belo aperitivo para o que vem por aí no 7º dia do herói. Foi sensacional ver Jack com os olhos marejados ao se despedir de Carl, seu amigo de tantos anos, que sacrifica a vida pelas criancinhas. Aliás, fiquei tão pasma com a cena que até consegui enxergar Robert Carlyle como um cara muito bacana - tinha na mente a imagem do Frank Begbie, de Trainspotting, socando pessoas em um pub...

O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2009 | 23h40

Aliás, será que Carl morreu? Ai, espero que ele volte para a 7ª temporada. Afinal, essas séries ressuscitam todo mundo. Dia desses, revendo 24 Horas: A Redenção, lembrei-me de que Carl detonou a mina terrestre bem do lado do coronel Dubaku. E eis que Dubaku é um dos vilões da nova temporada. Como ele não morreu, há esperança de ver Carl de novo, certo?

Ao rever 24 Horas: A Redenção em cópia legendada constatei que não há nada melhor do que ouvir a voz de verdade de Jack Bauer. Kiefer Sutherland fala sussurrando, algo muito charmoso. Dublar o herói é uma perda enorme para os pobres telespectadores (e mais ainda para as telespectadoras). Sei que essa é uma discussão antiga e que a Fox tem mais audiência com a programação dublada, etc. e etc., mas e daí? Jack é sensacional e sexy demais falando qualquer coisa, seja bravo, feliz, revoltado, emocionado, calmo, alterado ou até sob tortura... Deve ser por isso que ele consegue o que quer. Quando ele diz "temos de ir, vamos", quem não iria?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.