Atsushi Nishijima
Atsushi Nishijima

'Era questão de tempo até os movimentos começarem', diz atriz de filme da HBO sobre assédio

Estrelado por Al Pacino, filme traz a atriz Riley Keough, neta de Elvis Presley, vive a jornalista que denunciou o caso

Pedro Rocha, Especial para o Estado

10 Abril 2018 | 06h00

Está em cartaz no canal HBO, e em seu serviço de streaming, HBO Go, o filme Paterno, baseado numa história real, em que Al Pacino vive o vitorioso técnico de futebol americano universitário Joe Paterno, que se vê em meio a um escândalo de abuso sexual envolvendo Jerry Sandusky, membro da sua equipe no time Penn State. O caso se tornou público com um artigo de Sara Ganim, uma jornalista de 23 anos, num jornal local. 

++ 'Paterno', com Al Pacino, aborda paradoxo moral de técnico envolvido em escândalo sexual

“Ela seguiu com a história mesmo num ambiente perigoso, com homens perigosos”, opina a intérprete de Sara no filme, a atriz Riley Keough, neta de Elvis Presley. “Ela trabalhava numa pequena redação e ninguém dava cobertura para ela. Ganim fez um jornalismo investigativo valente, encorajador.”

A história se passa nos anos 1990 e Keough comemora o fato de o filme ter se adiantado em relação a questões importantes, já que foi gravado antes de o caso Weinstein vir à tona, originando grupos de defesa de vítimas de assédio, como o Time’s Up ou Me Too. “Casos de abuso sexual e de poder têm acontecido desde sempre, em todos os lugares”, afirma a atriz. “Era só uma questão de tempo até os movimentos começarem. Contribuir é importante, assim como dar voz às vítimas.”

Além de elogiar o filme, Keough é, também, só elogios ao seu ilustre colega de elenco, Al Pacino. “Só tive duas cenas com ele. Ele é incrível. Vê-lo gravando suas cenas foi algo inspirador”, conta.

O filme tem reexibição nesta terça-feira, 10, às 20h, na HBO.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.