Entrevista: Claire Foy e Matt Smith se despedem da série 'The Crown'

Os atores interpretam a rainha Elizabeth II quando jovem e seu marido, o príncipe Philip, na série da Netflix; a segunda temporada já está no ar

Alicia Rancilio, Associated Press

18 Dezembro 2017 | 06h00

NOVA YORK - Claire Foy exibe um ar melancólico quando perguntada como descreveria Matt Smith, seu colega em The Crown, para os outros atores que podem vir a trabalhar com ele no futuro.

“Eu não sei, você nunca mais vai trabalhar de novo com outra pessoa”, brinca Claire ao falar de Smith. “Você prometeu que não faria isso!” Smith responde a mesma questão com um alerta: “Eu diria que ela ama chocolate e, aconteça o que acontecer, não a irrite.”

Os atores interpretam a rainha Elizabeth II quando jovem e seu marido, o príncipe Philip, na série da Netflix. A segunda temporada já está no ar.

Foy e Smith serão substituídos por novos atores daqui para a frente, pois seus personagens ficaram mais velhos. O reinado de Claire Foy será entregue a Olivia Colman (de Broadchurch e The Night Manager). O próximo príncipe Philip ainda não foi anunciado.

“É triste toda vez que você termina um trabalho, a menos que seja um trabalho onde você odeia todo mundo e isso é horrível”, disse Claire.

Os atores falaram sobre o entusiasmo dos americanos com relação à família real, telefones celulares no set e a série.

Acreditam que os americanos estejam mais entusiasmados ou interessados na família real do que os britânicos? Por exemplo, quanto ao noivado do príncipe Harry e Meghan Markle?

Claire – Eu acho que os dois povos têm maneiras muito diferentes de se expressar. Os americanos são muito mais propensos a ser efusivos e entusiasmados.

Smith – E comemorativos.

Claire – As pessoas comemoram o sucesso neste país de uma maneira que não fazemos.

Vocês estavam envolvidos numa trama de época. Onde escondiam o celular no set?

C – Em geral, em uma bolsa. Ou num dos meus pequenos lugares para guardar coisas.

S – Havia muitas gavetas no quarto, mas depois eu acabava esquecendo o celular.

C – Um bom lugar é atrás de uma almofada.

S – Desapareceu algumas vezes.

C – Uma vez Smith saiu quando eu estava fazendo um discurso.

S – Falei algo do tipo: “Desculpe, querida. Continue.”

C – Foi na frente de 200 extras e de uma banda! Na época, nós ainda não nos conhecíamos bem e fiquei mal impressionada.

Agora que não estão mais na série, vão acompanhar a nova temporada?

S – Será ótimo ser um fã.

C – Que tal fazer um pacto para assistirmos juntos o primeiro episódio?

S – Eu adoraria. Vamos marcar. Eu irei.

C – E vamos levar alguns petiscos e bebidas, ficar de mãos dadas e chorar.

S – E dizer que antes éramos nós!

O valor da produção é espetacular. Houve alguma cena que talvez parecesse ótima, mas demorou muito tempo para ser filmada? E por quê?

S – A coroação.

C – Foi épica.

S – Ela estava usando um traje extremamente pesado. E também tinha a locação, uma das poucas vezes que usamos o recurso de telas verdes.

C – Parecia um vácuo.

S – Consumiu um bocado de energia.

C – Mas ficou muito bom.

S – Também houve um dia filmagem na África, no aeroporto, que foi bastante difícil porque o calor era demais. Foi brutal. 

TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.