HBO/Divulgação
HBO/Divulgação

Enquete: Quem deve vencer Game of Thrones e ocupar o trono de ferro?

Relembre os fatos mais importantes da 8ª temporada e faça suas apostas nos comentários

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2019 | 17h03

Este texto contém spoilers da oitava temporada de Game of Thrones

*

Sem a ameaça do Rei da Noite, derrotado no terceiro episódio da temporada, Game of Thrones voltou  a se concentrar nas batalhas políticas entre os humanos. Resta, agora, um episódio para responder a pergunta central da trama: quem sentará no trono de ferro e assumirá o comando dos Sete Reinos? Relembre os acontecimentos mais importantes dos últimos cinco episódios e faça suas apostas:

Episódio 1: Winterfell

Reencontros entre personagens e paralelos com o piloto da série definiram o primeiro episódio da última temporada de Game of Thrones, que foi ao ar no dia 14 de abril. Um visual mais sombrio indicava que o inverno havia de fato chegado à Westeros. 

Em Winterfell, a Coroa é recebida com grande desconfiança. A estrangeira Daenerys ainda não convenceu nem o Norte, nem Sansa. Em um reencontro carregado, Sansa e Tyrion trocam palavras hostis. Enquanto isso, em Porto Real, Cersei recebe Euron Greyjoy, que buscou os mercenários da Companhia Dourada em Braavos.

Após ceder às estranhas investidas de Euron, que pretende engravidá-la, Cersei ordena que Ser Bronn mate seus dois irmãos, Tyrion e Jaime, com a mesma besta que o anão usou para matar Tywin.

Theon resgata Yara, sua irmã, que estava sob custódia de Euron. Os dois se separam: ele volta para Winterfell, para lutar ao lado de Snow, enquanto ela ruma para as Ilhas de Ferro.

Daenerys e Jon vivem um momento de ‘descontração’: montam nos dragões e viajam pelo Norte, até chegar em uma cachoeira, onde se beijam. Pouco tempo depois, Jon recebe de Sam a informação de que é, na verdade, Aegon Targaryen, sexto do seu nome, herdeiro verdadeiro do Trono de Ferro e dos Sete Reinos. 

Após derrubar a muralha e pregar o jovem senhor Lorde Umber em uma parede, o Rei da Noite e os Caminhantes Brancos rumam para o ‘sul’.

Episódio 2: Cavaleira dos Sete Reinos

O segundo episódio da oitava temporada de Game of Thrones, exibido no dia 21 de abril, foi a calmaria antes da tempestade.

O episódio começa com Jaime Lannister (Nikolaj Coster Waldau) sendo recebido em Winterfell: Brienne de Tarth (Gwendoline Christie) intervém por ele e Sansa (Sophie Turner) e Daenerys (Emilia Clarke) o aceitam na cidade - a essa altura, qualquer ajuda é bem vinda. Em uma cena mais ao fim do episódio, depois de uma conversa interessante entre um grupo de personagens heterogêneo, Jaime nomeia Brienne como cavaleira dos Sete Reinos – a primeira mulher a ser nomeada como tal.

Se o episódio começa bastante focado em Jaime e nos laços que ele tenta refazer (inclusive com Bran Stark), fica claro que, mais do que nunca, a batalha está próxima. Arya Stark (Maisie Williams) insiste para que Gendry (Joe Dempsie) fabrique logo sua arma (uma lança de duas pontas de vidro de dragão, o material que será utilizado para lutar contra os Caminhantes Brancos) e em seguida os dois finalmente concretizam o envolvimento romântico. A cena é significativa porque consolida o amadurecimento de Arya.

Antes disso, um conselho de guerra se reúne e a estratégia para a luta está definida: derrubar o Rei da Noite é a única possibilidade de vitória. Bran (Isaac Hempstead-Wright)/Corvo de Três Olhos diz então que o Rei da Noite quer ir atrás dele, porque ele é a memória do mundo – e o objetivo do vilão é apagá-la para criar uma noite sem fim. Bran então se dispõe a ficar no Bosque Sagrado, ao lado do castelo, e atrair o inimigo até lá.

Pouco antes, Jon Snow (Kit Harington) revela para Daenerys a sua própria origem. A reação dela é primeiro de incredulidade. Logo depois, ela se dá conta do que isso significa: ele tem então o direito de reclamar o Trono de Ferro. 

Episódio 3: A Longa Noite

Depois de dois episódios de preparação, o novo capítulo começa com Winterfell à beira da guerra. Bem no início, são pelo menos mais 10 minutos de tensão, muito silêncio. Os enormes exércitos Dothraki e os Imaculados se posicionam à frente do Castelo, e a primeira pessoa a aparecer da escuridão é na verdade Melisandre (Carice Van Hauten). Ela usa os poderes do Senhor da Luz para iluminar as espadas dos Dothraki, que numa investida alucinada são simplesmente apagados pelo exército dos mortos. Nem cócegas.

Quando os mortos aparecem, o que se forma não é uma linha de ataque, mas uma onda de soldados de muitos metros de altura que basicamente varreu todos os exércitos de Daenerys.

Entre os personagens principais, algumas baixas são sentidas: Jorah Mormont (Iain Glen), Lyanna Mormont (Bella Ramsey) e Beric Dondarrion (Richard Dormer) morrem em combate. Jon e Daenerys lutam contra o Rei da Noite em cima dos dragões, mas não são muito eficientes. Sansa e Tyrion, mantidos nas criptas junto às mulheres e crianças, têm um momento terno de companheirismo – parecem fazer as pazes.

A batalha parece perdida. Nem mesmo as trincheiras acesas por Melissandre conseguem deter os mortos vivos, que entram em Winterfell. O Rei da Noite consegue chegar ao Bosque Sagrado, onde Bran o aguarda. Theon o proteje até o último momento; Bran o agradece e Theon é assassinado pelo Rei da Noite.

Nos segundos finais do episódio, o Rei da Noite saca sua espada, com olhos fixos em Bran. É surpreendido por Arya, que salta em sua direção. Captura-a no ‘vôo’. Mas Arya, com seu movimento assinatura de jogar a adaga de uma mão para a outra, consegue perfurá-lo com sua lança de vidro de dragão, derrotando o violão. 

O episódio não esclarece o porquê do Rei da Noite construir um exército tão grande para atacar os humanos. O que sabemos é que sua espécie foi criada há milhares de anos justamente para acabar com a humanidade. Esse sempre foi o seu objetivo, e para cumpri-lo, era necessário apagar Bran/O Corvo de Três Olhos. Mas o Rei da Noite, finalmente, caiu e com ele, todo seu exército.

Episódio 4: O último dos Starks

Produtores e roteiristas de Game of Thrones tinham pela frente uma difícil missão: manter a audiência eletrizada após a épica Batalha de Winterfell, em que vivos e mortos se digladiaram ferozmente até o último segundo. 

‘O  último dos Starks’, quarto episódio da temporada final de Game of Thrones, nasce com Winterfell chorando seus mortos. Estirados em piras, estão corpos de heróis da guerra: Lyanna Mormont, esmagada por um gigante; Jorah, morto defendendo Daenerys; Theon Greyjoy, eliminado pelo Rei da Noite. Jon Snow discursa, e os corpos são enfim queimados.

Em um banquete de celebração, ainda que sombria, do fim da guerra, um embriagado Tormund diz a Snow que somente  “um louco, ou um rei” voltaria dos mortos para continuar lutando. A frase gera incômodo em Daenerys, que parece estar cada vez mais preocupada com a possibilidade de ser substituída por Jon -- tenta, inclusive, convencê-lo de pedir a Samwell e Bran um juramento de silêncio sobre sua verdadeira origem. 

No  jogo dos tronos, as forças dos dois lados estão equilibradas. Daenerys tem dois dragões, mas perdeu todos os dothraki, metade do exército Imaculado e metade dos nortenhos. Euron Greyjoy e sua frota engrossaram as fileiras de King’s Landing. 

Enquanto Sansa, Jon e Tyrion defendem saídas menos bélicas para a ‘última guerra’, como um cerco a King’s Landing, Daenerys parece silenciosamente fora de si. Insiste vorazmente no combate, dizendo que “em todos os Sete Reinos, homens vão viver sem crueldade, sob sua legítima rainha”. Arya e Sansa não confiam em Daenerys, e Jon conta sua origem para elas. Não sabemos qual é a reação.

O  exército de Daenerys enfim ruma para o sul, onde Cersei os espera, acompanhada de Euron Greyjoy, cuja frota emboscou o exército de Daenerys, sequestrou Missandei e abateu mais um dragão. Jaime também corre para King’s Landing, abandonando Brienne enquanto admite ser tão abominável quanto sua irmã e amante. 

Cersei decide deixar as muralhas de King’s Landing abertas: assim, obrigará Daenerys a escolher entre uma rendição ou um banho de sangue inocente. Enfim frente aos inimigos do sul, Daenerys pede que Cersei se renda e liberte Missandei. Cersei pede que Daenerys se renda, ou matará Missandei. Daenerys se recusa, e Cersei pede para que Missandei diga suas últimas palavras. ‘Dracarys’, ela responde antes de ser decapitada.

Episódio 5: Os sinos

O capítulo começa com Lorde Varys redigindo um bilhete. ‘Ele é o herdeiro legítimo do trono de ferro’, escreve. É interrompido por sua ‘passarinho’, Martha, que conta estar sendo vigiada. Ele pede para que ela relembre seu ensinamento. ‘Quanto maior o perigo, maior a recompensa’, ela repete. 

Martha  tenta entrar na Fortaleza, mas falha. Lorde Varys recebe sua recompensa: é buscado por Verme Cinzento e morre vítima do impiedoso dracarys de Daenerys. Foi traído por Tyrion, que, com exceção do momento em que ajuda Jaime a fugir, passa todo o episódio batido, caminhando por entre escombros da sua terra natal.

Arya consegue entrar em King’s Landing: Jaime, a princípio, não. Em fúria, Daenerys, montada em Drogon, queima toda a frota de Euron Greyjoy. Ele sobrevive.

Frente a King’s Landing, o exército de Daenerys hesita. Uma bola de fogo derruba as muralhas de dentro para fora. Daenerys queima a cidade por dentro, sem poupar ninguém.

Em uma cena brutal, o exército de Daenerys, guiado por Verme Cinzento, ataca homens rendidos. Jon Snow tenta evitar o massacre, mas não consegue. Como Tyrion, passa todo o episódio batido.

Arya e o Cão de Caça quase chegam a Cersei. O Cão pede para que Arya desista de sua vingança, ou se tornará como ele. Arya agradece e some. O Cão segue para enfrentar seu irmão, A Montanha. Os dois se atacam furiosamente, A Montanha estoura os olhos do Cão, que enfia uma adaga no morto. Os dois morrem, caindo da muralha, enquanto tudo queima ao redor.

Jaime e Euron se encontram na praia e se enfrentam, em uma estranha batalha de egos por Cersei. Jaime consegue matar Euron, mas sai completamente ferido. Encontra Cersei, se esconde com ela na Fortaleza de Maegor, mas o momento dura pouco. Ambos morrem abraçados, soterrados. Como esperado – mas Cersei merecia mais. 

Arya, em meio à multidão, quase morre pisoteada, queimada, atacada pelos poucos dothrakis que sobreviveram à batalha de Winterfell. Ajuda os desprotegidos de King’s Landing - seu lado humano, que até então parecia perdido, aparece. Ressurge como heroína: ao acordar, coberta de sangue e cinzas, encontra um cavalo branco, também coberto de sangue e cinzas. É nele que deixa a cidade para trás, na cena final do episódio. Com Cersei e Jaime mortos, Sansa isolada no Norte, Jon e Tyrion abatidos, a batalha final pelo Trono de Ferro parece se desenhar entre Arya e Daenerys.

Quem deve vencer Game of Thrones?

 

 

Mais conteúdo sobre:
Game of Thrones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.