Eles adoram as comparações

Bancando o Mister M, revelamos alguns dos efeitos especiais dos mutantes da Record

Keila Jimenez, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2007 | 22h26

Plágio de Heroes, cópia de Smalville, inspiração em X-Men? Sim, e com muito orgulho. Em termos de efeitos especiais, a Record adora ver tais comparações com sua nova novela, Caminhos do Coração. Com uma trama sobre crianças e jovens mutantes, não são poucas as levitações, visões de raio X e corridas na velocidade da luz. Mágica sentida na tela - a audiência sobe quando os heróis entram em ação - e na produção. Computação gráfica de ponta, treinamento com equipes hollywoodianas e quase R$ 200 mil gastos por capítulo. "De 3, passou para 25 a turma que cuida dos efeitos especiais na trama", fala o diretor de Caminhos do Coração, Alexandre Avancini, que conta abaixo alguns dos segredos dos superpoderes da novela. Cássio Ramos (Vavá, o menino -lobo) Uma cena com saltos do menino-lobo leva em média dois dias para ser gravada. Içado por cabos de aço presos ao corpo, o ator faz o movimento. A cada salto, o cabeamento é mudado de posição no cenário. Sincronia A equipe técnica ajuda as crianças nos saltos. As câmeras entram em ação usando a tecnologia Motion Control , capaz de captar os movimentos e reproduzi-los no computador em diferentes velocidades . Julia Maggessi (Angela, a menina alada) "As cenas de levitação são as mais complicadas, levam dois dias para ficarem prontas", conta Avancini. O esquema é parecido com o do menino-lobo. Julia é erguida por cabos de aço. As crianças receberam treinamento especial para esse tipo de cena. Sérgio Malheiros (Áquiles, o superveloz) A câmera grava o ator correndo em uma esteira, com fundo em croma-key verde. Depois a câmera capta a imagem de uma moto em movimento. Fundo neutro As cenas de Angela voando são gravadas em fundo neutro, para depois serem adicionadas às imagens de céu. Assim como no menino-lobo, o Motion Control capta a levitação da menina. Aí é vez de a computação gráfica unir as imagens. Sem cabos "Depois de gravar o ator em movimento, a câmera capta só o cenário de fundo, sem personagens. O computador une as imagens, apagando os cabos e inserindo as asas", conta Avancini. "A sincronia das imagens tem de ser perfeita." Acelerador Aí é vez de a computação gráfica acelerar os movimentos de corrida do ator e unir a imagem dele à da moto, colocando também o fundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.