Ele foi sem ter sido

Depois de se entender gay e conquistar o público, Orlandinho volta a ser machão em 'A Favorita'

Patrícia Villalba, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2008 | 00h40

Como ele disse dia desses, Orlandinho (Iran Malfitano) teve de "cortar um dobrado" para se firmar no mundo gay. Malhou o bíceps e decorou o nome das top models. Mas eis que a macheza teima em vir à tona, para que se materialize na novela das 9, A Favorita, o que muitos acham ser um mito na vida real: o ex-gay.   Veja também: A ficção local já tentou de tudo para sair do armário. E a luta continuaEmbora ainda haja um nãobeijo-gay engasgado na garganta de muita gente, a TV já usou o homossexualismo masculino de todo jeito (leia ao lado). Orlandinho seria mais uma das bibas saltitantes e compreensivas que assumem o filho da amiga, não fosse A Favorita uma novela de aparências. "O Orlandinho nunca foi homossexual de fato. Até agora ele nem beijou um homem", anota Malfitano. Nesta entrevista ao Estado, o ator fala sobre as aparências e o personagem mais comentado de sua carreira - que até agora tinha tido só galãs.O Orlandinho começou mulherengo, passou a homossexual e, agora, vai ser super-hétero. Como você tem lidado com essas mudanças?Ele ia começar e terminar a novela como hétero. Ele ter assumido a homossexualidade foi inesperado para mim. Agora, outra mudança não me assusta. É um caminho bom para o personagem.Ele parecia tão apaixonado pelo Halley (Cauã Raymond)...Novela, né? Em novela pode tudo (risos). O que desencadeou no Orlandinho a vontade de ser gay foi o fato de o Halley ter se passado por gay. No começo, o Orlandinho era homem. O que ele não aturava mais era a futilidade, ter de estar com alguém por causa de dinheiro. E ficou achando que seu caminho poderia ser o do Halley. Mas ele é um cara carente - não queria passar a mão no tanquinho. Queria ficar com o Halley pela companhia. Mas ele não encontra no mundo gay a felicidade que esperava. É verdade que tem muita gente reclamando porque ele vai desistir de ser gay?Não. Todo mundo abraçou o Orlandinho. E o movimento homossexual é suficientemente inteligente para saber que novela é ficção. Eu estou muito feliz, porque depois desse personagem meu trabalho vai ter mais credibilidade. Você acaba ficando estigmatizado por fazer sempre galãzinho. Os são-paulinos continuam pegando no seu pé?Há, brincaram muito comigo. Falei pra galera: ?Gente, eu tenho de dizer que sou homossexual, o que vocês queriam?? Todo mundo levou na esportiva - os palmeirenses e corintianos é que gostaram. A família da minha namorada é são-paulina. Imagina como eu fui zoado! A vingança deles foi o hexa.  

Tudo o que sabemos sobre:
'A Favorita'Iran Malfitano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.