Efeito Pica-Pau

Com poucos episódios, velharias que se repetem há anos mantêm fôlego para gerar audiência

Keila Jimenez, ESTADÃO

25 Agosto 2007 | 21h15

Exatamente um dia após a inauguração da TV no Brasil, em 19 de setembro de 1950, ele estava lá, na extinta TV Tupi, com sua risada sacana. E não é que meio século depois o Pica-Pau continua no ar e, como na ficção, incomodando pra valer seus adversários?Não é raro ver esse senhor sexagenário - a animação foi criada nos anos 40 - amedrontar os blockbusters milionários do SBT, os noticiários da Band e até roubar uns pontinhos das novelas da Globo. Pica-Pau, atualmente na Record, chegou a bater 14 pontos em julho, audiência admirávelpara uma animação com passagens por Globo e SBT, e apenas 360 episódios.   Veja também:  Os velhinhos da animação  Histórias do baú   Veja bem: 360 episódios é pouco, a considerar sua longevidade.   O passarinho de crista vermelha encabeça a lista da "Academia dos Imortais da TV" ou atrações da mofolândia, como preferir, que apesar da repetição, continuam agradando. "Eu era gerente de Programação do SBT quando o canal foi inaugurado. Lá eu descobri os poderes do Pica-Pau", conta o diretor de Programação da Record, Hélio Vargas. "Como não tínhamos com o que preencher toda a grade, eu colocava o desenho para tapar buraco. Quando vinham as planilhas de ibope, ia verificar os picos e dava de cara com o Pica-Pau sempre. Era incrível.    A audiência pulava de 2 para 8 pontos com ele", conta o diretor, que não quis perder a chance de tê-lo de novo como curinga na programação, só que na Record.   "Quando fechamos o pacote de filmes e séries com a Universal, não tinha desenhos previstos no contrato. Fui checar e logo vi que os direitos dos pacotes do antigo do Pica-Pau estavam para vencer na Globo e no SBT. Batalhei para incluir o desenho no nosso pacote", conta ele.    "Segundo meus conhecimentos picapalescos, o sucesso do desenho é cíclico. Dá boa audiência por uns três anos e depois é hora de descansá-lo", fala Vargas. "Mas sem dúvida é um curinga, que agrada a vários públicos. Esse é o segredo da juventude dele."Chaves bebe do mesmo elixir. O enlatado de mais de 20 anos do SBT já foi ao ar nos mais diferentes dias e horários - o mais estranho, à 1h da manhã - sempre incomodando a concorrência. São eternos 150 episódios, gastos de tão reprisados.O mesmo SBT ressuscitou recentemente, com bom efeito no ibope, mas por pouco tempo, A Escolinha do Golias (1991).Já na Band, o humor de Golias vai mais longe. Bronco, que estreou em 1986 e já foi reprisado 10 anos depois, voltou ao ar este mês e surpreendeu em audiência.Melhor ainda tem se saído Dino da Silva Sauro. Desde o mês passado, os pouco mais de 60 episódios da Família Dinossauro entraram na programação da Band com o fim de aquecer a audiência do horário para a próxima novela da rede Dance, Dance, Dance, que estréia em outubro."Muitos desses programas servem como escada para outras atrações", fala o diretor de Programação da Band, Murilo Fraga. "Cabe ao programador não lotear a grade só com sucessos antigos. Esses produtos só funcionam se bem colocados e dosados", explica o diretor, já planejando mais uma reprise. "Vamos começar a remasterizar os episódios do Bronco para não perdê-los com a chegada da TV digital." Vida longa para Golias na tela, se não eterna. Colaborou Shaonny Takaiama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.