Divulgação
Divulgação

Dupla planeja volta ao mundo com 80 videoclipes

Diana Boccara e Leo Longo já gravaram com Pato Fu, Vanguart e vão passar por Europa, África, Ásia e EUA

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

14 de abril de 2015 | 20h11

Fernanda Takai, vocalista do Pato Fu, retira a venda dos olhos e percebe estar dentro de um labirinto. Percorre o caminho, perdida, enquanto Eu Era Feliz, música do novo disco da banda mineira toca ao fundo. Tudo é exibido em plano-sequência, gravado por cima, com o auxílio de um drone. A estreia do projeto Around The World In 80 Music Videos, no último dia de março, deu início a uma maratona que promete lançar um videoclipe a cada segunda-feira, até setembro de 2016.



A ideia nasceu enquanto o casal Leo Longo e Diana Boccara, de 34 e 29 anos, respectivamente, fazia uma viagem de carro pelas margens do rio Mississipi, nos Estados Unidos, passando por cidades marcadas como berços do rock, blues e jazz, no ano passado. “Chegamos a pensar: é o momento de criarmos um projeto que seja de estrada, seja de rock e tenha film making na história toda. Ali, começou tudo”, explica Longo.

As dúvidas permaneciam, contudo, quanto ao formato adotado para um projeto que pudesse unir as ideias dos dois. “Pensamos: ‘Vamos fazer um documentário? Um programa de TV’, ele continua. O videoclipe surgiu como a solução, como ele conta. “(O clipe) é um produto que permite experimentação e que possibilita que possamos realizar somente nós dois, com um equipamento que conseguimos carregar sozinhos. A portabilidade de equipamento é incrível. Em algumas produções, a qualidade não é suficiente, mas, para os videoclipes, isso é incrível.”

Ele trabalhou como diretor de programas para emissoras como Globo, Record, Cultura, MTV e History Chanel e, há pouco, passou a experimentar videoclipes, além de trabalho publicitário. Diana trabalhou na produção e no conteúdo de reality shows como O Aprendiz e A Fazenda. “Tinha vontade de fazer algo fora da televisão mainstream”, explica Longo, que divide as funções com Diana.

Ambos colocam a mão na massa e o processo de produção envolve escolher as bandas, convidá-las, agendar datas, encontrar uma locação e realizar a gravação. Quase não há pós-produção, já que o clipe é todo realizado em plano-sequência, mas o prazo de um clipe por semana não alivia.

“Uma coisa que tento deixar claro para todos os artistas é que todas as diárias de gravação devem ser otimizadas. O Pato Fu, por exemplo, fizemos em quatro horas”, conta Longo. O dia da gravação quase foi perdido porque choveu e, com a água, o drone não poderia alçar voo. “Mas nós damos conta sozinhos. Em uma semana, às vezes, a gente consegue fazer dois ou três clipes.”

 


Os planos do Around the World in 80 Music Videos é gravar dez clipes no Brasil e partir para o exterior. Algumas bandas já estão confirmadas, como Selvagens à Procura de Lei (com clipe lançado no dia 6), Vanguart, Vespas Mandarinas e Brothers of Brazil. Estados Unidos e Reino Unido serão outros dois pontos de maior estada de Longo e Diana, com 15 e 10 clipes em cada um dos países, mas isso não quer dizer que a dupla não vá para outros pontos do globo, como o restante da Europa, África e Ásia. “Trabalhamos com uma antecedência de três a quatro meses”, explica Longo.

Todos os bastidores das gravações dos vídeos são registrados, editados e exibidos em capítulos, assim como os clipes. “O web-reality é a ferramenta que criamos para ser a sustentação desse sonho”, conta Longo. “É a união dos formatos de televisão e internet.”  

 

Tudo o que sabemos sobre:
músicatelevisãovideoclipesrock

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.