Divulgação
Divulgação

Drew Barrymore ressurge na série 'Santa Clarita Diet'

Famosa desde criança, quando despontou em 'ET', atriz agora volta como zumbi

Magdalena Tsanis, EFE

23 Janeiro 2017 | 20h37

MADRI - Depois de vários anos afastada, a atriz, diretora e produtora Drew Barrymore ressuscitou, agora transformada em zumbi na série Santa Clarita Diet, da Netflix, que estreia em 3 de fevereiro. “Estava nervosa com a ideia de voltar a trabalhar”, confessou ela a um grupo de jornalistas. “Quando surgiu a oportunidade, estava atravessando uma fase ruim na minha vida, mas, às vezes, os piores momentos se transformam em uma oportunidade para ressuscitar”, adiantou ela, que faz 42 anos em 22 de fevereiro.

Na série, Drew Barrymore e Timothy Olyphant formam um casal e trabalham como corretores de imóveis, levando uma vida de “cômoda insatisfação”, que sofre uma reviravolta quando ela tem uma crise e se transforma em uma zumbi canibal.

“Tinha de acordar e o personagem de Sheila me ajudou; perdi nove quilos durante as filmagens, clareei o cabelo, voltei a usar sapatos de salto e passei por uma mudança completa em termos de atitude, junto com a personagem”, disse Drew.

Sua personagem faz constantemente coisas impróprias, mas, segundo a atriz, tem sempre a atitude do “vamos lá, você consegue”, e impele os outros a cometerem loucuras. “Essas metáforas me pareciam geniais, ri muito ao ler o roteiro, o que também foi muito importante”, recordou.

Drew Barrymore ficou famosa já aos 7 anos como a menina do filme ET e depois de uma infância e adolescência marcadas pelo alcoolismo e o abandono dos pais se reinventou e criou sua própria produtora, que teve início com um sucesso na época, a comédia de adolescentes Nunca Fui Beijada (1999).

Como produtora, um lado seu menos conhecido, Drew foi responsável por filmes como Donnie Darko (2001) e sucessos como As Panteras (2000), trabalhando ao lado de sua amiga Cameron Diaz.

Há alguns anos, Drew lançou um livro de memórias em que conta como rompeu com sua mãe quanto tinha 14 anos e que seu pai, John Barrymore, foi uma presença muito esporádica em sua vida. E confessa que sofreu uma depressão pós-parto depois do nascimento de sua segunda filha.

Na apresentação em Madri de Santa Clarita Diet, ela estava acompanhada pelo chef Ramón Freixa, contemplado com duas estrelas do Michelin, que lhe preparou um menu canibal especial. A atriz provou um consomê composto de sopa de ossos com pedaços de carne em forma de ovos (na verdade bolas de creme de couve-flor com tinta de lula), um hambúrguer cru com molho cor de sangue e um pequeno cérebro de coco com framboesa.

Drew contou que não sabe bem cozinhar, mas gosta e pratica. E, sem chegar ao canibalismo de Sheila, afirmou que come de tudo, exceto trufas e queijo de cabra, que não gosta.

Na Netflix ela encontrou a plataforma ideal para divulgar uma série que, insiste, a família inteira deverá gostar.

“Uma das minhas grandes paixões como produtora são histórias que podem ser apreciadas do mesmo modo por uma avó e sua neta. É algo difícil e a Netflix consegue isso.”

Indagada sobre a série Stranger Things, que homenageia filmes dos anos 1980 como aqueles em que ela atuou quando adolescente, Drew disse que fica fascinada com a ideia de que coisas extraordinárias, desde viagens no tempo até zumbis, ocorram no quintal da sua casa. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.