Jair Magri/TV Cultura
Jair Magri/TV Cultura

Dramaturgia e psicanálise se unem em nova série

‘Terradois’ estreia na Cultura e propõe debater a pós-modernidade

Gabriel Perline, O Estado de S.Paulo

21 Março 2017 | 03h01

Existe uma dúvida que paira no inconsciente coletivo a respeito do futuro da humanidade. Como será a Terra daqui a 20 anos? As máquinas irão dominar o mundo? O ser humano poderá estar presente em dois lugares ao mesmo tempo? Esta ideia de pós-modernidade é o ponto chave de Terradois, série que a TV Cultura estreia hoje, às 22h30.

Concebida pelo psicanalista Jorge Forbes em parceria com Marcos Amazonas, diretor de programação da emissora, a série defende a tese de que já vivemos neste mundo pós-moderno. “Nós mudamos de planeta. Vivemos em mundo totalmente diferente do mundo de 30 ou 40 anos atrás, e a gente não se deu conta disso porque geograficamente ele é muito parecido com o anterior. Mas nós, os habitantes, somos totalmente diferentes”, defende Forbes. “Nós temos um monte de novos fenômenos que a bússola que a gente tinha no passado já não funciona mais. Eu achava que uma TV com a Cultura poderia se interessar em avisar as pessoas que elas estão sendo levadas para Terradois, para elas não ficarem mais apavoradas com as possibilidades desse novo laço social, com a falta de padronização, com o convite à invenção que Terradois pede.” 

Maria Fernanda Cândido foi somada ao time e trouxe a ideia de incluir a dramaturgia. O programa, que a princípio seria um talk-show, virou um formato híbrido, que inicia com um debate sobre o tema do dia, seguido da leitura do texto que será encenado, a encenação e, por fim, uma análise sobre o que foi apresentado pelos atores. Temas como o prolongamento da vida, o sonho de jogar tudo para o alto e viajar pelo mundo, medo e realidade artificial são debatidos ao longo da série. O objetivo é mostrar ao público que não adianta habitar um novo mundo e resolver os novos problemas com antigas soluções.

"Como vou ajudar as pessoas entenderem que, no laço social da pós-modernidade, tenho a chance de inventar uma solução singular e repassá-la ao mundo? Todos nós temos essa chance em Terradois. É a revolução, o renascimento humano. Terradois é uma riqueza da criatividade humana jamais vista nas fases anteriores da humanidade. É quase um presente viver este momento presente”, diz Forbes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.