Dra. Addison 'se joga' em L.A.

Personagem de Grey's Anatomy ganha uma série só dela. Trata-se de Private Practice

Etienne Jacintho, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2008 | 21h18

Quando Kate Walsh entrou na sala onde estavam cerca de oito jornalistas de diferentes países das América Latina e Europa, todos os olhares se voltaram para a ruiva. Não pelo fato de Kate ser a entrevistada, mas pela beleza da atriz de 41 anos. Ao ver o mulherão, fica difícil entender como McDreamy (Patrick Dempsey) a trocou por Meredith Grey (Ellen Pompeo), na série Grey?s Anatomy. Apesar do fora, Kate Walsh se deu bem e sua personagem, a dra. Addison, ganhou uma série só para ela. Trata-se de Private Practice, um spinoff de Grey?s, que estréia amanhã, às 21 horas, no canal Sony. "Quando Shonda Rhimes me chamou para conversar em sua sala, pensei que estivesse encrencada", brinca Kate, lembrando-se do dia em que recebeu a proposta da nova série. "Saí do meu corpo por um minuto, ficava concordando com Shonda e, obviamente, estava um tanto emocionada, nervosa e curiosa com a proposta." Private Practice estreou no ano passado nos Estados Unidos e foi a série nova mais vista em seus primeiros episódios. "Não dá para saber porque uma série dá certo ou não", fala a atriz. "Mas temos uma boa química e a série é um pouco mais adulta que Grey?s - mas, claro que vocês vão ver adultos se comportando de forma infantil." OUTRO ASTRALNos primeiros episódios, a dra. Addison vai ser bem diferente da médica que, traída, deixou o Seattle Grace Hospital e a cidade cinza. "Veja as cores desse cenário! Obviamente não é um hospital. É mais relaxante e menos formal." Agora, Addison vai para Los Angeles, trabalhar em uma clínica que tem elementos da medicina holística. E seu astral está em outra sintonia. "O começo é bem mais leve, uma espécie de Kate que se joga!", brinca a atriz. "Ela se muda para Los Angeles, suaviza um pouco o guarda-roupa, o visual." Mas a suavidade - e a doideira - dura pouco. A partir do 3º episódio, a médica encontra um equilíbrio entre a nova e a antiga Addison.Ainda que esteja na pele da mesma personagem que apareceu lá no Seattle Hospital, Kate Walsh deixa claro que essa é outra série. "Isso não é Grey?s Anatomy 2", diz. "Os personagens são muito diferentes. Não são protótipos da primeira série de Shonda transferidos para esta", explica Kate. "E eles estão em fases diferentes de suas vidas e acho que as pessoas podem se identificar com elas." Apesar de defender que Private não é Grey?s, a atriz admite a pressão de ter sido a escolhida para ter uma série só para ela. "Sou de família italiana, irlandesa, católica e tenho essa culpa e autopunição inerentes", fala Kate, que pensava: "Por que eu? Não sou boa o suficiente. Há tantos atores em Grey?s que merecem mais do que eu."ESPELHOKate foi comparada a Catherine Deneuve na mídia americana. "É um elogio incrível! Assisti a Belle de Jour há alguns anos, quando eu era loira, e uau, é um super elogio. Mas já disseram que eu sou a cara da Tori Spelling (a Donna, feia, de Barrados no Baile)!", conta a atriz, às gargalhadas. Kate sente, sim, a pressão de estar em Hollywood. Faz pilates e exercícios quando tem tempo. "Essa é uma cidade muito estranha, com gente de visual louco e cirurgiões plásticos e você se senta em frente ao espelho de maquiagem o dia inteiro."

Tudo o que sabemos sobre:
Grey's AnatomyPrivate Practice

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.