Dois velhos rabugentos e ótimos!

Confesso que alimentava certa birra com Lima Duarte. Reconheço seus grandes trabalhos na TV: o matador Zeca Diabo, de O Bem Amado (1973), o ingênuo Sassá Mutema, de O Salvador da Pátria (1989), o empresário Salviano Lisboa, de Pecado Capital (a primeira versão, de 1975) e o avô Afonso, de Da Cor do Pecado (2002). Mas sempre ficava com a impressão de que a persona de Lima Duarte ocupava a frente dos personagens. Agora, o velho Lima me derrubou. O prefeito Viriato, de Desejo Proibido, vai entrar na lista de seus melhores trabalhos.As alegorias políticas na trama de Viriato são uma paródia elegante e bem-humorada do triste circo nacional. Inteligente, Lima Duarte dá a cada fala o peso e o tempo certos, sem excessos. As peripécias de Viriato na tentativa de se reeleger prefeito de Passaperto estão integradas à história e a gente torce para que ele distribua seus santinhos de "condor das Alterosas".Lima não brilha sozinho. Depois do marido depressivo de Páginas da Vida, Marcos Caruso ressurge em tom rasgadamente cômico, com um falsete absurdo, dando vida ao espantado Padre Inácio. Com o mocinho da história, Miguel (Murilo Rosa), o padre é doce, tem um olhar quase beato. Já nas cenas com Viriato, o padre mantém a voz em falsete, mas solta os cachorros na defesa da Igreja. Os embates de Lima Duarte e Marcos Caruso devem embasbacar até os autores da novela - os dois atores visivelmente saem do texto escrito, improvisam e se desafiam, como se fossem o Jack Lemmon e o Walther Mathau da TV brasileira. É uma farra.Já em sua reta final, a novela das 6 também registra aquele que talvez seja o par romântico mais virginal dos últimos 20 anos. Em nenhum momento se duvida da decisão de Laura (Fernanda Vasconcellos) e Miguel de se conterem por amor até o casamento oficial. Sem posar de puritano, nem todo casal protagonista precisa passar metade do elenco em revista antes do beijo final. Esta semana também, a novela marcou um gol de placa ao falar com delicadeza tocante da primeira menstruação da menina Magu (Bruna Marquezine). Foi uma bela aula de educação sexual em família.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.