Netflix
Netflix

Documentário mostra influência da ditadura na carreira de Pelé

Dirigido por David Tryhorn e Ben Nicholas, o filme estreia na Netflix no dia 23; veja o trailer

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2021 | 12h47

O documentário abre com clima de uma festa anunciada: os momentos anteriores da final da Copa de 1970, no México, onde o Brasil se tornou tricampeão mundial ao golear a Itália por 4 x 1. Foi a consagração de um geração de craques, mas também a afirmação de um rei: Pelé. Mas é justamente a voz dele que se ouve, em off, fazendo uma alarmante confissão: “Naquele momento, eu não queria ser Pelé”. É justamente com esse enigma que começa Pelé, documentário original da Netflix, que estará disponível no streaming a partir da terça, 23.

Dirigido por David Tryhorn e Ben Nicholas, o filme se estrutura de forma a justificar tal desabafo. É justamente esse caminho o que torna esse documentário distinto dos demais: sim, são mostrados muitos gols, como não poderia ser diferente, mas a ascensão de Pelé no mundo do futebol passa a interessar o mundo político, a ponto de ele ser obrigado a rever a decisão de não mais disputar uma Copa do Mundo após o fracasso brasileiro no Mundial de 1966, na Inglaterra, e assumir a obrigação de vencer quatro anos depois, no México.

“O Brasil antes de Pelé e o Brasil depois de Pelé são dois países totalmente diferentes em termos de identidade cultural e nacional”, observa Tryhorn que, a partir do surgimento do maior jogador de futebol do mundo, traça um paralelo entre a sua trajetória e a do próprio País.

Assim, a surpreendente revelação do garoto Pelé na Suécia, em 1958, quando o Brasil conquistou seu primeiro título, e vitória no Chile, quatro anos depois, correspondem à uma das fases mais criativas e economicamente positivas da história brasileira – o sucesso dentro de campo encontrava reflexo fora, na sociedade. 

Os ares mudam em 1964, com o golpe militar. Apesar de colecionar títulos no Santos, Pelé, que representava até então o futebol alegre e bem jogado, sai machucado no início da Copa da Inglaterra, em 1966, e o Brasil é precocemente desclassificado. Pelé anuncia seu desejo de não mais disputar uma Copa – e essa declaração é uma das imagens raras do documentário, encontrada nos arquivos da RTP, televisão portuguesa.

O regime militar, no entanto, precisava de uma conquista mundial para consolidar a imagem de um país bem sucedido, ainda que à base de mortes, torturas e cassação dos direitos civis. A pressão se instala na preparação para a Copa do México: comunista confesso, João Saldanha, que chegou a confrontar o presidente Emilio Garrastazu Médici (“eu não escolho os ministros dele, e ele não escala a minha seleção”), logo é destituído e Zagallo assume, com uma comissão técnica formada por militares.

“A gente sabia de muitas coisas que aconteciam no País. Outras, não”, comenta Pelé, no documentário, sobre os abusos da ditadura. “Nunca fui forçado a nada”, completa ele, que decidiu voltar à seleção também para uma realização pessoal: mostrar que, aos 30 anos, ainda podia ser campeão do mundo. Nas entrelinhas, porém, fica evidente que ele sentia o peso da responsabilidade imposta pelo governo.

“O documentário talvez seja a jornada de doze anos de um garoto que ganhou uma Copa do Mundo em 1958, e depois se tornou um homem na de 1970”, observa o italiano Mateo Bini, editor do filme. “Aí você entende que, quando vence aquela Copa do Mundo, Pelé é considerado o salvador, porque é ele quem está derrotando aquele complexo.”

É nesse momento também que o espectador passa a entender o significado da frase inicial do filme, quando ele diz que não gostaria de ser Pelé naquele instante. Também se tornam compreensíveis o choro compulsivo que o arremata quando se aproxima do estádio da final contra a Itália, surpreendendo os outros jogadores, e ainda os três estrondosos berros de desabafo que deu no vestiário (“Não morri, não”, relembra Rivellino), após a conquista.

A volta ao Brasil e o encontro com Médici, em Brasília, são momentos delicados do documentário. O ex-jogador Paulo César Caju analisa a cena do abraço com o presidente como um rebaixamento social. “Pelé retoma a posição do ‘sim, senhor’”, diz. Em contrapartida, Pelé assegura ter mais ajudado o Brasil com seu brilhante futebol que os políticos, “que ganham para fazer isso”. De uma certa forma, a maioria dos entrevistados para o documentário referenda isso, poupando-o de uma condenação moral.

O filme traz ainda outros momentos preciosos. Como a chegada de Pelé à sala onde concedeu as entrevistas: apoiando-se em um andador, ele empurra o aparelho para fora do foco da câmera tão logo se senta. “Não planejamos isso”, diz Tryhorn. “Sentimos que era importante mostrar que um dos maiores atletas tinha problemas para caminhar, mas ainda assim não aceita isso.”

Entre os diversos entrevistados, destaque para dois familiares: a irmã Maria Lúcia e o tio Jorge Arantes, que relembram a infância de Pelé, especialmente quando trabalhou de engraxate para ajudar em casa. E é justamente a singela imagem do rei do futebol batucando em uma caixa de engraxate que encerra o documentário.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Não sou um político. Sou brasileiro. Quero o melhor para o Brasil, mas não posso mudar as leis. Tive problemas na carreira, pois as pessoas confundiam política com futebol
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Pelé, ex-jogador de futebol

PRESTE ATENÇÃO

  1. Em uma das primeiras frases de Pelé no documentário, relembrando a final da Copa de 1970: “Naquele momento, eu não queria ser Pelé”.
  2. No encontro festivo de Pelé com os antigos companheiros do Santos, craques como Pepe, que relembram histórias engraçadas.
  3. Na entrevista de Delfim Netto, então ministro da Fazenda do governo de Emílio Garrastazu Médici – ele confirma que o governo “mexeu os pauzinhos” para forçar a saída de João Saldanha do comando da seleção.
  4. Na surpreendente confissão de Pelé que, ao se aproximar do estádio Azteca para a final contra a Itália, teve uma crise de choro dentro do ônibus que transportava a delegação.
  5. Na história de Rivellino, sobre os gritos de Pelé no vestiário, depois da conquista do tri. “O grande presente da vitória é o alívio”, diz o Rei.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.