Do kitsch ao cult

O cenário da casa da Dona Nenê é muito mais detalhado do que se pode supor pela TV. Típica casa de vó caprichosa, cheia de enfeitinhos, onde hoje há todo tipo de abacaxi - copos de abacaxi, potes de abacaxi, pratos de abacaxi. É influência de uma jarra de suco, de plástico, que vai para a mesa da família Silva desde a primeira temporada. "Comprei num mercado perto da casa da minha mãe. Quando ela viu, disse ?não quero essa coisa horrorosa aqui!?", diverte-se o diretor de arte Guga Feijó. Uma vez em cena, a jarra renegada pela dona Lídia virou hit. "Todo mundo queria saber de onde ela veio, e lojas bacanas do Rio começaram a vender. Vi uma por R$ 250!", conta Feijó. "Fez tanto sucesso que os abacaxis viraram marca da dona Nenê. A gente vive ganhando 'abacaxis' de presente, para pôr em cena."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.