Pablo de Sousa
Pablo de Sousa

Disponível no streaming, ‘Rio Heroes’ promove maratona à brasileira

Com todos os episódios disponíveis em aplicativo, série sobre vale-tudo chega ao segundo capítulo na TV paga

Pedro Rocha, ESPECIAL PARA O ESTADO

03 Março 2018 | 06h00

No último sábado, 24, estreou no canal Fox Premium 2, na TV paga, a série brasileira Rio Heroes, uma co-produção entre a própria Fox com a NBC Universal e a Mixer Filmes. Desde então, todos os cinco episódios da série já estão disponíveis para assinantes no aplicativo Fox Play. O segundo capítulo estreia neste sábado, 3, na telinha convencional. 

Estrelada por Murilo Rosa, a série mostra a história real do lutador brasileiro Jorge Pereira, que resolveu criar um campeonato de vale-tudo, sem regras, já nos anos 2000, de encontro com o já bem estabelecido e regrado MMA. Com cenas de luta crua e pegando carona no humor debochado do protagonista, a série traz ainda Priscila Fantin como a lutadora Claudinha Pitbull, André Ramiro como Basilio e Duda Nagle como Rogerinho. 

“Gosto de cenas de luta em filmes de ação, que no Brasil não são tão exploradas”, opina Nagle em entrevista ao Estado. Em preparação para a série, o ator treinou com o próprio Rogerinho, a quem dá vida na trama. “Aproveitei para treinar jiu-jitso e aprender bastante”, revela. Além de Duda, Murilo também tem histórico com lutas - é faixa preta em taekwondo. 

Conhecido por seus papéis em novelas, Nagle elogia o formato de série, que vem se popularizando e ganhando mais espaço no Brasil nos últimos anos. “Como consumidor, às vezes acho um filme muito curto e novela longa demais. Os cinco capítulos foram os ideais, apesar de, como ator, querer ter feito mais.”

++ Série 'Shut Eye' foge do convencional com a história de videntes

Mais capítulos, aliás, virão. Antes mesmo da estreia, a série já havia sido renovada para uma segunda temporada. “A gente sabia que não ia ficar por aí”, afirma Zico Goes, VP de conteúdo dos canais Fox. Ele confessa que, por questões de negócios, fecharam a primeira temporada em cinco episódios, mas 10 já estavam inicialmente planejados. 

Segundo Zico, a confiança em renovar a série antes de passar pelo crivo no público vem da qualidade. “Os canais premium têm um modelo diferente para medir o sucesso”, acredita. “Tem muito a ver com o buzz em volta da série.”

Apesar de focar no vale-tudo, o VP garante que a produção visa atingir até quem não é fã de esportes. “Nossa principal preocupação é que não fosse apenas sobre luta e para aficionados.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.